SAD do Benfica reconhece ações compradas por John Textor mas não considera empresário acionista

Águias lembram que entrada do norte-americano na sociedade teria de ser aprovada em AG. Que teria veto certo da SAD

O Benfica reconheceu que "a John Textor são imputáveis os direitos de voto inerentes a 5.750.000 ações da categoria B, representativas de 25% do capital social e dos direitos de voto" da SAD, mas não reconhece o empresário norte-americano como acionista da sociedade encarnada.

"Embora não na qualidade de acionistas da Benfica SAD, a John Textor são imputáveis os direitos de voto inerentes a 5.750.000 ações da categoria B, representativas de 25% do capital social e dos direitos de voto da Benfica SAD, em virtude de celebração de acordos de aquisição de ações (ainda que a aquisição esteja sujeita à verificação de determinadas condições), e à Agro-Pecuária do Alto da Palhoça, S.A., a António José dos Santos, a Manuel dos Santos, a Dinis Manuel Oliveira Santos, a José António dos Santos, Maria Júlia dos Santos Ferreira e à Quatro-Ventos – Soc. Agro-Pecuária, S.A., enquanto acionistas da Grupo Valouro – SGPS, S.A., são imputáveis os direitos de voto inerentes a 5.314.404 ações da categoria B, representativas de 23,11% do capital social e dos direitos de voto da Benfica SAD", pode ler-se em novo comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Nesse sentido, os encarnados voltam a lembrar que a entrada efetiva de Textor na estrutura acionista está dependente da aprovação em AG - onde, como o Benfica salientou anteriormente, vetaria a mesma. "A possível aquisição pelo mesmo de uma participação qualificada de 25% no capital social da Benfica SAD está sujeita à verificação de determinadas condições, em especial a aprovação da aquisição daquela participação pelo SL Benfica em Assembleia Geral da Benfica SAD em conformidade com a alínea (a) do número 2 do artigo 13.º dos Estatutos da Benfica SAD, que estabelece que é necessária a unanimidade dos votos estatutariamente correspondentes às ações da categoria A para serem aprovadas deliberações da Assembleia Geral, reunida em primeira ou em segunda convocação, sobre aquisição, direta ou indireta, de ações representativas de mais de 2% (dois por cento) do capital social da Benfica SAD por uma entidade concorrente, devendo um eventual posterior reforço da posição acionista, de forma direta ou indireta, ser sujeito ao mesmo processo de aprovação caso as ações a adquirir representem mais de 2% (dois por cento) do capital social da Benfica SAD."

A SAD benfiquista diz ainda que "desconhece as intenções do Senhor John Textor": "O SL Benfica informou o Emitente de que considera esta manifestação de interesse inoportuna e não pretende iniciar qualquer diálogo com o referido investidor. A qualificação ou não como 'entidade concorrente' poderá ser objeto de discussão e dúvidas, assim como qualquer deliberação social tomada sobre esta matéria em sede de Assembleia Geral da Benfica SAD, uma vez mais causadora de ruído mediático adverso à Benfica SAD, embora, como referido, tenha sido o próprio Senhor John Textor a invocá-la quando transmitiu à Benfica SAD e à CMVM, em 12 de julho de 2021, a correspondente notificação de participação qualificada."

Por Record
24
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Benfica

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.