João Loureiro lança carta ao país desportivo depois de morte de adepto afeto ao Sporting

Presidente do Boavista lamenta "clima de agressões verbais, pressão, intimidação e autêntica coacção"

• Foto: Carlos Gonçalves

João Loureiro divulgou, este sábado, uma carta aberta ao país desportivo, na sequência do trágico acontecimento que resultou na morte de um adepto afeto ao Sporting na última madrugada junto ao Estádio da Luz.

Carta

"Face ao trágico acontecimento de hoje, que muitos já adivinhavam viesse mais tarde ou mais cedo a acontecer, venho, em meu nome pessoal e em nome do Boavista Futebol Clube, enviar os meus sentimentos à família enlutada e ao Sporting Clube de Portugal.

Não posso, no entanto, deixar de chamar a atenção para o clima de agressões verbais, pressão, intimidação e autêntica coacção que, sem excepção, tem sido criado e desenvolvido de forma despudorada e crescente por representantes directos e indirectos dos chamados três grandes, envolvendo também a cumplicidade e amplificação por parte de comentadores e alguma comunicação social, numa espiral que só podia conduzir a este resultado. Que todos tenham essa noção.

É altura de o país desportivo e das respectivas instâncias fazerem uma muito séria reflexão, pois a canibalização do espaço mediático (com a responsabilidade inerente dos decisores da comunicação social) e a subserviência aos interesses desses grandes clubes (que respeitamos pela sua grandeza, mas que até por isso também têm que saber estar à sua altura), e os seus comportamentos a vários níveis, e designadamente através dos ditos gabinetes de informação, estão a fazer muito mal ao desporto português, e ao futebol nacional em particular.

Seguissem todos o exemplo e dessem mais destaque aos exemplos positivos da generalidade dos outros clubes, que de forma humilde e muitas vezes com grandes dificuldades vão proporcionando o desporto a muita gente, mas parece só existirem nas semanas em que jogam com os grandes, e talvez o desporto e o futebol português respirassem um ar mais puro e saudável.

Exemplo claro deste estado de coisas é o facto de um adepto e sócio do Boavista ter sido barbaramente agredido, tendo ficado invisual de uma vista, por agentes de autoridade há mais de dois anos, num claro e repulsivo episódio de abuso de autoridade, sem que, apesar da denúncia e de todas as diligências por parte do próprio e do clube, tenha sido até ao momento sido responsabilizado o seu autor. Pergunta-se: e se fosse adepto de algum dos grandes, o assunto teria sido tratado da mesma forma? Todos sabemos a resposta, mas nada é feito para se alterar...

Serão os adeptos e associados de todos os demais clubes filhos de um Deus menor? Não serão portugueses com os mesmos direitos de todos os outros? Que sociedade é esta que ao invés de proteger os menores dos maiores cria um clima que resulta exactamente no contrário? Já o disse muitas vezes, o mundo do futebol é altamente reaccionário, e muitas vezes são os que do alto das suas virtudes se consideram mais progressistas noutras áreas que mais sustentam e caucionam esta evidente desigualdade de direitos e oportunidades.

Pois que então tenham de vez todos os que contribuem directa e indirectamente para este estado de coisas o sentido da sua própria responsabilidade e mudem os seus comportamentos enquanto ainda é tempo, pois isto já foi longe demais e não podem, sob pena de cairem no ridículo, quando acontecem estas coisas continuar a assobiar para o lado, ou que se preparem para assistirmos a muitos mais acontecimentos como o que hoje foi noticiado.

Aos adeptos e sócios do meu amado Boavista, peço-lhes encarecidamente para como até aqui continuarem a demonstrar, e apesar das conhecidas dificuldades, de forma humilde e entusiástica, o seu grande amor e apoio às nossas equipas, mas que se diferenciem sempre pela positiva.

Mesmo que outros não reparem ou não dêm o devido valor à forma como temos a pulso feito o nosso percurso e recuperação, e apesar das enormes injustiças cometidas no passado e que tanto nos penalizaram e ainda penalizam (por exemplo baixaram-nos cobardemente de divisão por factos não provados que seriam mesmo assim caso tivessem sido praticados autênticas brincadeiras de crianças comparados com aquilo a que todas as semanas assistimos publicamente nos vários canais televisivos ou outras situações do conhecimento público), continuemos o nosso caminho nunca cedendo à tentação de tentar imitar os péssimos exemplos com que somos sistemática e mediaticamente bombardeados.

Tenhamos, apesar de tudo, a esperança que este lamentável e trágico acontecimento tenha ao menos o condão de fazer o país desportivo, os seus agentes, e os máximos responsáveis a todos os níveis, acordarem e perceberem que têm que assumir as culpas próprias (quanto mais não seja por se demitirem das suas responsabilidades e como tal não agindo), e alterarem os seus comportamentos, sob pena de se estar a corroer e matar o desporto e o futebol portugueses. um comunicado sobre "o trágico acontecimento de hoje, que muitos já adivinhavam viesse mais tarde ou mais cedo a acontecer", e expressa em "nome pessoal e em nome do Boavista Futebol Clube, enviar os meus sentimentos à família enlutada e ao Sporting Clube de Portugal."

Por Sandra Lucas Simões
2
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Boavista

Notícias

Notícias Mais Vistas