Graça Freitas explica por que não permitiu a Defendi jogar diante do Gil Vicente

Diretora-geral da Saúde abordou caso do guarda-redes do Famalicão

Graça Freitas abordou esta quarta-feira a situação de Defendi, guarda-redes do Famalicão que ontem não pôde ir a jogo por determinação da DGS.

"No caso do jogador do Famalicão, tudo indica que ele não está infeccioso, mas como sabem há algum grau de incerteza. Pensamos que quem teve a doença, fez testes, teve alta e continuou a testar negativo não pode transmitir a doença, mas o certo é que no último teste que fez estava positivo. Tivemos muito de ponderar perante a incerteza científica. Depois de uma primeira decisão de o deixar jogar, ficámos pelo princípio da precaução, definindo que um positivo não joga. Quando há incerteza científica é preciso agir com cautela. Falámos com as autoridades de saúde locais e com o médico da Liga e foi uma decisão em consenso entre todos. Pelo princípio da precaução, uma vez que houve um teste positivo. Provavelmente serão só partículas virais, mas na dúvida agimos pela precaução. O risco de contágio será baixo, mas não há evidência robusta de que não exista possibilidade. E estando outra equipa implicada, optámos por não deixar jogar", disse em conferência de imprensa na qual sublinhou que "os outros jogadores vão continuar a seguir o plano de teste pré-definido".

E lembrou: "A questão do futebol e risco para a própria atividade foi longamente ponderada entre as várias entidades, desde o Ministério da Saúde, Direção Geral de Saúde, Federação Portuguesa de Futebol, Liga e clubes. Foi um trabalho muito bem feito e ponderado para que a retoma pudesse ser feita, pois o futebol é algo importante para o país e para a economia".

4
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Famalicão

Notícias