Conceição e a Allianz Cup como 'pedra no sapato': «Não é um título amaldiçoado»

Treinador do FC Porto na antevisão da estreia na prova amanhã, com o Mafra

• Foto: José Reis/Movephoto
O FC Porto defronta o Mafra, amanhã, na 1.ª jornada da fase de grupos da Taça da Liga, e Sérgio Conceição quer entrar na prova com o pé direito. Até porque os dragões, sob a sua alçada, nunca ganharam esta prova... 

Como sente o grupo neste regresso ao trabalho depois das férias?
"Não foi uma semana de férias nem pausa. Houve três dias de descanso, em permanente comunicação com a equipa técnica. Em relação ao jogo é importante iniciar bem a competição, olhando para o que aconteceu entre o Vizela e o Chaves. É um título que podemos conquistar num futuro breve e vamos dar tudo para que isso aconteça."

É uma competição em simultâneo com o Mundial. Que espera do jogo?
"Em relação ao planeamento, já falei muitas vezes sobre isso. Dar os parabéns à Liga porque consegue pôr a disputa de um troféu neste período, é preciso coragem porque toda a gente olha para as seleções e para o Mundial. Quero os jogadores focados no jogo de amanhã, peço também aos sócios e adeptos do FC Porto para aparecerem. O FC Porto associa-se à ONU com a campanha 'fome zero', apelo para que tragam os bens alimentares para agirmos de forma solidária com alguma instituições aqui do Porto. Queremos os jogadores supermotivados e é importante que o público assim esteja também. Queremos muito chegar à final e sermos mais competentes do que fomos num passado recente."

Que espera do jogo de hoje da Seleção?
"Desejo boa sorte à nossa Seleção e a todos os treinadores portugueses que estão no Mundial, mesmo que isso implique dois deles defrontarem-se no mesmo grupo. Mas espero que Portugal saia por cima." 

A Taça da Liga é uma espécie de pedra no sapato. Que tem de mudar no FC Porto para deixar de o ser?
"Na final não podemos sofrer golos e temos de fazer mais do que o adversário. É muito simples. Desde que cheguei aqui, excetuando no ano passado, em que perdemos o primeiro jogo nos Açores, fizemos sempre prestações muito positivas nesta prova. Não podemos é entrar em superstições, que ainda não ganhamos, que é um título amaldiçoado... Acredito no trabalho dos meus jogadores e estou confiante para começar amanhã a prova."

Viu os jogos do Mundial?
"Vi com mais atenção o Vizela-Chaves e o jogo do Leixões ontem, com o Santa Clara. Os do Mundial à noite sigo com mais atenção."

Que acha do tempo de compensação que tem sido dado em alguns jogos no Mundial? Gostava de ver estas decisões transportadas para o campeonato português?
"Não sei se posso falar disso. Falei na antevisão de um jogo com o Marítimo, disse que deviam dar 10 minutos nos jogos se fosse preciso; nesse jogo por acaso houve mesmo 10 minutos de compensação e fui castigado. Depois acabei por não cumprir. Já assisti a jogos no Mundial com 14 minutos e acho que é justo. As equipas de arbitragem estão tão bem apetrechadas, não entendo se isso não acontecer."

O treinador do Mafra disse que podia ser um jogo diferente por o FC Porto estar com menos jogadores.
"É uma mensagem inteligente da parte dele, para dentro, para que os jogadores acreditem que podem fazer aqui um bom jogo e ganhá-lo. Não adivinho a estratégia dele, mas o que posso controlar é o comportamento da minha equipa e dos meus jogadores. Trabalhamos tudo o que é preciso trabalhar, seja na Liga dos Campeões ou na Taça da Liga."

Que achou das exibições de Taremi e Eustáquio no Mundial?
"Gostei, dentro de uma dinâmica diferente, gostei. O Taremi igual a si próprio, ao que nos tem habituado aqui. No golo, cheio de inteligência na forma como encontrou aquele espaço para finalizar. E o Eustáquio com uma abrangência daquilo que é seu jogo no campo cada vez melhor. Fico contente por ver os jogadores do FC Porto exibirem-se a esse nível. Espero que aconteça também com os outros que vão entrar em campo."

Como está Evanilson?
"Não tenho previsão, o departamento médico diz que a resposta aos tratamentos tem sido positiva, mas está fora do jogo de amanhã. Como o Veron e o Zaidu.

Teme que o Eustáquio, o Taremi e os outros jogadores do FC Porto que estão no Mundial possam lesionar-se?
"Como apaixonado pelo futebol consigo desfrutar de um bom jogo e do comportamento das diferentes seleções. Temos olhado para algumas surpresas, até dei o exemplo do Japão e da Alemanha, falei disso aos meus jogadores. Hoje em dia há muito equilíbrio e não existem papões. Há equipas que trabalham de forma séria, muito cultas ao nível tático, mas depois também há o brilho no olho. Vi os japoneses com um brilho no olhar durante o hino, isso é muito demonstrativo do foco, da honra em representar o país. E obviamente o trabalho do campo, o trabalho tático, a preparação ao pormenor, também faz a diferença."

Abordagem aos jogos da Taça da Liga.
"Para o segundo jogo posso ter aqui alguns jogadores das seleções... Penso que é dia 2 que acaba a fase de grupos do Mundial. Espero que a preparação não tenha de ser diferente, não fizemos nada de diferente. A abordagem é a que fazemos sempre, com a preocupação com alguns pontos do adversários. Tenho alguns jogadores da equipa B mas eles sabem da exigência e do que queremos aqui."






Por Record
1
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de FC Porto

Notícias

Notícias Mais Vistas