Sérgio Conceição: «Admito alguns exageros, mas fazem parte da pessoa que sou»

No jantar comemorativo do título da 2.ª Divisão do Leça, em 1994/95

Depois de ter estado no velório de Fernando Gomes, ao final da tarde deste sábado, Sérgio Conceição juntou-se ao jantar comemorativo do título de campeão da 2.ª Divisão do Leça, clube ao qual esteve emprestado pelo FC Porto na sua segunda época como sénior, em 1994/95.

Deixando claro que só abordaria questões relacionadas com o evento, Sérgio Conceição recordou uma "época importante" da sua carreira e até da sua vida. "Tive a sorte de apanhar muitos jogadores de qualidade futebolística e humana, a prova disso é que quase depois de 30 anos estamos aqui todos juntos. Um grupo de amigos no fundo muito bem orientados pelo Joaquim Teixeira e com o nosso presidente Manuel Rodrigues", afirmou, dando conta das dificuldades daquela época, quando tinham passado poucos anos sobre o falecimento dos seus pais: "Tudo aquilo que me aconteceu não posso negar que foi importante para ter hoje o caráter que tenho e ser a pessoa que sou. Admito que às vezes com alguns exageros, mas fazem parte da pessoa que sou."

Sobre o seu treinador da altura, Joaquim Teixeira, recordou-o com um sorriso no rosto. "Foi um treinador muito importante na minha vida, para mais numa fase difícil da minha vida, como vocês sabem. Foi também meu treinador no FC Porto adjunto do António Oliveira, tive-o também na Seleção… É um amigo e os amigos independentemente do que fazem, são depois da família as pessoas mais importantes", disse, mostrando-se esperançado num regresso do Leça, atualmente no Campeonato de Portugal, ao topo do futebol nacional: "Olho sempre para os clubes onde passei com muito carinho. O futebol não está fácil para ninguém e isso acentua-se mais nas divisões secundárias. Acho que é com esta paixão, pelo carinho que têm pelo Leça, que se consegue dinamizar um clube e levá-lo para outros patamares, que no caso concreto o Leça merece. Espero que o Penafiel, o Felgueiras e a Académica, todos os clubes pelos quais eu passei, tenham essa força e consigam essa projecção para estarem noutro patamar em que não estou agora."

Feliz por "sair do stress" do futebol de alto rendimento, atirou de bom humor: "Sou capaz de ser o último a sair daqui!" Por fim, questionado sobre o melhor jogador da equipa de 1994/95, atirou rapidamente o nome de Serifo, um jogador 'à Porto'. "O mais completo, super resistente, rápido, tecnicamente evoluído e um amor ao Leça. Tem aquilo que um jogador tem de ter. Era um ‘jogador à Porto’. Mas não era o único", concluiu.
Por Nuno Barbosa
18
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de FC Porto

Notícias

Notícias Mais Vistas