Benfica e o caso dos emails: «Alguém vai ter de ser punido»

Advogado João Correia pede às autoridades que "verifiquem se o que é divulgado corresponde à verdade"

João Correia, porta-voz dos advogados do Benfica, esteve esta segunda-feira na BTV para explicar qual a posição do clube no caso dos emails, depois de um juiz ter rejeitado a providência cautelar apresentada pelas águias para que o Porto Canal parasse com a sua divulgação.

"Queremos saber a verdade. Não temos os emails, não sei se são verdadeiros ou falsos. Não sei, nem quero saber. Quero é saber se aquilo é verdadeiro ou falso. É verdade que o Benfica obteve resultados desportivos por virtude de corrupção, coacção?", questionou o advogado, prosseguindo nas questões:

"Algum resultado foi obtido através de coacção? De corrupção? De sedução? De influências perversas e excessivas relativamente a agentes desportivos? Se sim, o Benfica tem de ser punido. Se não, quem é que vai ser punido? Este é o desafio que nós, juristas, lançamos. Investigue-se se algum resultado foi obtido por via de coacção, trafico de influências, sedução, qual o meio perverso", adiantou.

Caso ninguém o consiga demonstrar, então João Correia avisa: "Alguém tem de ser punido. Não podemos ficar como estamos. Algo tem de ser resolvido. O presidente do Benfida já desafiou seja quem for a mostrar que há algum resultado que tenha emergido de influência perversa relativamente a árbitros." 

João Correia revelou que foram apresentadas "três queixas crime" e "instâncias permanentes junto das entidades judiciárias mais elevadas do nosso país" para que "promovam investigações e apurem tudo o que se passa". "Apesar disso, zero! O Benfica não é devedor de nada, no plano jurídico sentimo-nos credores de investigação", destacou.

Manifestando "perplexidade" pela lentidão nas investigações, João Correia desafiou a Polícia Judiciária e o Ministério Público a irem à Luz. "Venham a esta casa e verifiquem se o que é divulgado corresponde à verdade. Aquilo que interessa verdadeiramente para o mundo e indústria do futebol é se aqueles emails têm correspondência com a prática de crimes e se esses crimes existem", resumiu.

Sobre a providência cautelar rejeitada pelo tribunal, o jurista não poupou nas críticas ao juiz, que se tinha assumido como adepto do FC Porto. "Declarou que era isento relativamente ao FC Porto. Mas não era isento relativamente ao Benfica. Não foi suficientemente rigoroso. Presumo que foi isento, não foi muito rigoroso, devia ter tido mais cautelas, muito embora tenha declarado que era ferveroso adepto do FC Porto. Tem direito a isso e a afirmar a sua isenção e rigor, mas devia afirmar melhor. Decisão absolutamemte errada na fundamentação, pois não se pode confundir concorrência desleal em desporto com atividades comerciais", explicou.

158
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Benfica

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.