Bruno Lage: «Adeptos pedem o jogador A, B ou C e é nestes jogos que vemos o registo»

Técnico do Benfica explica a opção tomada por Andrija Zivkovic

• Foto: José Gageiro / Movephoto

Diante do Sp. Covilhã, em jogo da Taça da Liga, o Benfica entrava como claro favorito, mas 90 minutos depois o marcador acabou por se ficar pelo empate a um golo. Na hora de analisar a partida, Bruno Lage assume que apenas a falta de eficácia acaba por servir para justificar o resultado menos positivo das águias na visita ao reduto beirão.
"Não marcámos os golos que devíamos ter marcado. Não criámos oportunidades na primeira parte, mas na segunda conseguimos as suficientes para tal. Não o fizemos e depois, numa carambola, a bola bate no nosso jogador e quem vem a recuperar fica isolado. Depois foram-se aguentando da maneira que puderam... Mereceram o empate em função das oportunidades criadas. Nós poderíamos ter feito, tivemos tempo e oportunidades para tal, mas não conseguimos dar a volta. Foi uma primeira parte equilibrada, com três ou quatro oportunidades para marcar. A circulação não foi tão rápida como queríamos. Depois temos a tal entrada em jogo com uma carambola que dá golo. Merecíamos ter ganho o jogo, apesar de haver justiça pelo que o Covilhã fez, por se ter batido assim diante de uma equipa como a nossa. Foi um ponto justo para eles", começou por apontar, em declarações à SportTV.

O resumo do Sp. Covilhã-Benfica
Questionado sobre a opção tomada de fazer várias trocas na equipa, colocando até jogadores que no passado haviam atuado na Covilhã, Lage explicou as decisões tomadas. "Temos de olhar para o que é esta competição e ao plantel vasto que temos, com 26 jogadores e 3 guarda-redes. A jogar a cada dois ou três dias, com Taça de Portugal, Champions, Liga e agora este... Também tem de se dar oportunidades aos outros, porque queremos que toda a gente esteja pronta para jogar. Há que olhar para os jogos anteriores e tomar a decisão de fazer jogar quem também trabalha com intensidade. Apenas por isso", explicou.

Por fim, o técnico das águias abordou ainda a opção tomada por Andrija Zivkovic na equipa titular. "Optei por um onze a procurar o jogo interior dele, de forma a criar situações de finalização. Pela largura do campo, tínhamos de provocar isso mesmo, de forma a prender a linha de 4 atrás. Procurámos o jogo interior, com o Jota e o Zivkovic com os pés invertidos, de forma a ter situações de finalização. As oportunidades são assim. É o que digo aos jogadores: independentemente do tempo, a titular ou não, têm de entrar e mostrarem-se aos treinadores e adeptos. Porque eles às vezes pedem o A, B ou C e é nestes jogos que vemos o registo. A opinião fica para mim, mas vou fazer sempre uma análise da equipa e das individualidades. É fundamental ver o que cada um produz em campo", finalizou.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Benfica

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.