Comissões e passes originam deduções

Benfica detalha operações de venda

• Foto: Manuel Araújo

Jan Oblak e Lazar Markovic foram transferidos, no verão de 2014, por um valor total de 41 milhões, ainda que os dois negócios apenas tenham proporcionado ao Benfica um encaixe de 16,256 milhões de euros – 9,456 milhões de euros no caso do guarda-redes, 6,8 milhões no do atacante.

Estes valores foram comunicados à CMVM no prospeto de oferta pública de subscrição e de admissão à negociação no Euronext. Os encarnados detalham contratações e transferências, desde 2013/14, explicando que, das vendas, é necessário deduzir "compromissos com terceiros, gastos com serviços de intermediação e valor líquido contabilístico do direito do atleta à data de alienação".

Embora não esteja especificado, no caso de Markovic, contratado pelo Liverpool, importa ter presente que a SAD encarnada apenas detinha metade do passe. No caso do guarda-redes, o Benfica estava na posse dos 100 por cento dos direitos económicos.

Diferença de 550 mil euros

O total das vendas comunicado pelo Benfica – que não se mostrou disponível para responder à acusação de Bruno de Carvalho – é de 212,434 milhões de euros. No entanto, somando os ganhos e as deduções, existe diferença de 550 mil euros, que os encarnados não explicaram.

Na comunicação à CMVM, o Benfica especifica as contratações, nas últimas três épocas, estando englobado nestes valores comissões e efeito da atualização financeira tendo em consideração os planos de pagamento estipulado. O total destas operações ultrapassa os 75 milhões de euros.

Acrescente-se que os passes de Luisão, Talisca, André Almeida, Carcela, César, Cristante, Djuricic, Fejsa, Gaitán, Lisandro López, Pizzi, Nélson Oliveira, Jiménez, Salvio, Samaris e Victor Andrade servem de garantia a empréstimos bancários.



Partilha de interesses e compromissos

A 31 de dezembro passado, o Benfica não detinha a totalidade dos direitos económicos de todos os jogadores sob contrato, casos de André Almeida (75%), César (50%), Fariña (50%) Jardel (50%), Nélson Oliveira (70%), Ola John (50%), Raúl Jiménez (50%), Jonathan Rodríguez (40%) e Cervi (90%). A SAD explica que tal tem a ver com "a partilha de interesses económicos com entidades terceiras". "Adicionalmente, foram estabelecidos compromissos com terceiros, nomeadamente clubes, agentes desportivos ou os próprios atletas, no sentido de repartir o valor de futuros ganhos", pode ler-se.

Por Nuno Martins
23
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Benfica

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.