Mantorras: «Por vezes dizia ao Ricardo Rocha 'só tenho um joelho, cuidado'»

Angolano recorda emoções da conquista do título na época de 2004/05

Numa conversa na BTV com Nuno Gomes e Ricardo Rocha, Pedro Mantorras recordou o título ganho pelo Benfica em 2004/05, com Trapattoni.

"O coletivo naquela altura era muito forte. Estive três anos sem jogar futebol e essa época foi importante porque havia pessoas que acreditavam muito em mim. Não estava a 100 por cento, mas a motivação e o querer ajudaram. O grupo foi muito importante, os jogadores mais velhos ajudaram imenso. Impacto nos adeptos? O Trapattoni mandava-me levantar para acalmar os adeptos. Por vezes era só isso. Foi algo de outro Mundo. Jogar no Benfica é isso mesmo… Aproveito para agradecer ao Rodolfo Moura e ao José Veiga.", considerou o antigo avançado angolano.

O ex-jogador recorda a importância daquele título. "Há 11 anos que o Benfica não ganhava nada… Foi o início daquilo que o Benfica é hoje. Podíamos pensar que era impossível, mas naquele ano tornámos o sonho realidade", frisou.

Mantorras passava por um mau bocado, por causa da lesão no joelho. "O grupo ajudava-me muito durante a semana toda. O Rodolfo Moura a mesma coisa. Eu só treinava com o grupo à quinta e à sexta-feira. Estava preparado e o Trapattoni explicava-me sempre o que queria. Sabia que tinha 15 minutos, 20 minutos se as coisas não estivessem bem. Felizmente consegui ajudar. Dei tudo e conseguimos vencer."

O antigo avançado angolano explica que tinha uma relação especial com Luís Filipe Vieira. "Era o meu presidente no Alverca. Era uma relação de pai para filho. O nosso sonho era sermos campeões no Benfica. Quando chegámos não tínhamos um grande plantel, mas o presidente e o José Veiga conseguiram. Tínhamos um grupo de grandes homens."

Mantorras olha para o Benfica de hoje e verifica que "é muito diferente". "As condições também. Nós treinávamos no Estádio Nacional e noutros campos. Mas sabíamos que futuramente o Benfica tinha condições para ser o que é."

Depois falou sobre Nuno Gomes enquanto jogador. "É uma pessoa muito humana e humilde. É companheiro e simples de lidar. Deu-me sempre a maior força do Mundo para não desistir. Sempre me protegeu."

E elogiou também Ricardo Rocha. "A forma de jogar era a mesma de treinar. Por vezes, dizia-lhe, ‘só tenho um joelho, cuidado’. Era um grande profissional, foi um companheiro espetacular. Na minha equipa, também jogava."

Por Alexandre Moita
5
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Benfica

Polícia identifica suspeitos do ataque ao autocarro do Benfica

São elementos da ala radical dos no Name Boys, como Record já tinha adiantado na sua edição desta sexta-feira.

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0