Rui Gomes da Silva: «Jesus gostava que Slimani fosse castigado mas não tem poder»

"Vice" benfiquista compara situação do argelino à de Cardozo

• Foto: Pedro Ferreira

Rui Gomes da Silva diz-se pela primeira vez ao lado de Jorge Jesus. O vice-presidente do Benfica estabeleceu um paralelismo entre a situação de Islam Slimani frente ao Arouca e a de Oscar Cardozo na final da Taça de Portugal de 2012/13, garantindo que a "utilizade" do avançado do Sporting fala mais alto.

"Pela primeira vez estou de acordo com o treinador do Sporting. Espero que pela primeira vez faça o que fez a jogadores do Benfica que é não deixar jogar o Slimani. Não se ouviu nada. A comunicação do Sporting é que o diz. O Cardozo teve de vir pedir desculpa. Aqui não vi nada", começou por dizer à SIC Notícias, no programa O Dia Seguinte, acrescentando: "A prova evidente de como ele é muito útil ao Sporting é que se fosse um jogador normal, se fosse o Gelson Martins, Bruno César ou Schletto – com quem gritou no jogo frente ao Bayer Leverkusen, ele não jogava mais esta época. Ele gostava que Slimani fosse castigado mas não tem poder. Se houvesse autonomia ele seria castigado vários jogos."

Já em jeito de brincadeira, Gomes da Silva reiterou que o Tacuara exerceu uma ação de "premonitória", adivinhando que anos mais tarde Rui Vitória ocuparia o banco do Benfica.

"Quantos jogos esteve Cardozo sem jogar? Nem começou a época a treinar [em 2013/14]. Cardozo apontou o dedo a Jesus. Disse que ele era culpado de perder com um não-treinador. Foi dizer a Jesus na cara: "Tu perdeste com um gajo que nem sequer é treinador. Não tens vergonha?". Slimani tratou Jesus bem. O Carrillo não fez nada na vida e nunca mais jogou. Nem tirar dentes pode…"


Por Flávio Miguel Silva
37
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Benfica

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.