Vídeo-árbitro em todos os jogos da Liga 2017/18

A aposta da FPF, que vai assumir os custos de 2 mil euros por partida, deixa Portugal na vanguarda dos testes

• Foto: Paulo Calado

A revolução continua, agora na Liga NOS. A partir da próxima época, os 306 jogos do principal campeonato de futebol em Portugal terão vídeo-árbitro (VAR) a ajudar o juiz de campo. Algo que só acontecerá num lote muito restrito de ligas nacionais em todo o Mundo.

Depois de anunciar o teste real na final da Taça de Portugal desta época, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) resolveu ir mais longe e vai trazer a tecnologia para todas as partidas a contar para a 1ª Liga, sejam elas disputadas em Chaves, no Algarve ou na Madeira. Todos os custos serão suportados pelo organismo nesta primeira temporada: primeiro, porque não era suposto entrar já em vigor em 2017/18 (apenas na época seguinte); depois, porque há a consciência de que há coisas que podem correr mal, pois estamos ainda em períodos de testes.

A utilização do vídeo-árbitro em cada partida deverá custar aproximadamente 2 mil euros, já contando com o valor a pagar ao árbitro extra. Multiplica-se esse valor por 306, o número de jogos da Liga NOS, e estamos a falar de cerca de 600 mil euros por ano. Para ter esta verba, a FPF foi obrigada a cortar noutros departamentos. Se o vídeo-árbitro vier para ficar, terá de haver entendimento com a Liga a partir de 2018/19.

Tudo na mesma sala

Ao contrário do que aconteceu até agora em todos os testes (em modo offline) que já foram feitos em Portugal, desta vez a equipa de vídeo-árbitros e técnicos de audiovisual não estará numa carrinha no exterior de cada estádio. A FPF irá criar um centro de vídeo-árbitro na Cidade do Futebol, que implicará um investimento inicial mas que acabará por permitir uma significativa poupança ao longo do tempo. Trata-se de uma sala com cerca de 35 metros, cheia de ecrãs, e cada um deles terá o ‘feed’ (imagens em direto e em bruto) de cada uma das câmaras que irá ser usada na transmissão televisiva da partida. Além disso, em alguns estádios, se houver necessidade disso, serão colocadas mais câmaras adicionais só para uso do VAR, bem como os obrigatórios ecrãs junto ao relvado para permitir a revisão do árbitro da partida..

A criação de um sala única, na sede da FPF, para os vídeo-árbitros de todos os jogos numa sala permite poupar muito dinheiro e, ao mesmo tempo, garante-lhes total tranquilidade para fazer o seu trabalho. A partir daqui, tudo funciona como se estivessem numa carrinha junto ao estádio, estando em permanente contacto com o árbitro de campo, avisando-o de uma das quatro situações previstas pelo International Board (IFAB).

A Liga portuguesa será assim a segunda na Europa com vídeo-árbitro confirmado para todos os jogos na próxima época, depois da holandesa, onde já houve uma série de testes reais em jogos da Taça. Fora da Europa, o campeonato australiano, a A-League, começou há cerca de um mês com testes reais, enquanto a MLS, dos Estados Unidos, tem previsto o arranque em agosto deste ano. Outras ligas, como a alemã ou a italiana, são mais cautelosas e só preveem o VAR a partir de 2018/19.

A FPF assume um risco, pois a decisão sobre o uso do vídeo-árbitro ainda não é definitiva. Em março de 2018, quando o IFAB se voltar a reunir, haverá uma avaliação dos resultados nos diversos países onde foram feitos os testes. Nessa altura, haverá indicações para avançar de vez, para prosseguir os testes ou até pará-los, algo que se afigura como pouco provável. Até lá, o futebol português jogar-se-á em muitas televisões.

Ajudará a reduzir as queixas

Com esta medida, a FPF acredita que muitas das questões disciplinares que têm estado na ordem do dia, e motivadas por críticas de dirigentes e treinadores ao trabalho dos árbitros, possam deixar de existir. Esta é, no fundo, uma resposta do organismo que manda no futebol português à discussão que está montada à volta das alterações ao Regulamento Disciplinar da Liga e que tanta tinta tem feito correr nos últimos dias. Aliás, a equipa liderada por Fernando Gomes acredita mesmo que a introdução do vídeo-árbitro, com a inevitável redução dos erros dos árbitros, terá um efeito muito superior a qualquer agravamento de penas.

Treinos já começaram

A introdução efetiva do vídeo-árbitro em Portugal irá provocar uma revolução também no método de treino e preparação dos próprios árbitros. Nesta altura, há nove juízes do quadro principal que já tiveram experiência no recurso à tecnologia, fosse na tal carrinha a ver as imagens, na bancada a receber as informações para simular o trabalho do árbitro. Jorge Sousa é o mais experiente: esteve em seis partidas, sempre como VAR, na tal carrinha de apoio, inclusivamente num particular entre Itália e Alemanha, dirigido por Artur Soares Dias.

Este último foi, aliás, nomeado pela FIFA para a Taça das Confederações como vídeo-árbitro. Aliás, não sendo um árbitro de elite da UEFA, esta era a única possibilidade que tinha de marcar presença na competição, algo que acontece também devido à experiência acumulada.

O protocolo assinado entre a FPF e o International Board (IFAB) prevê que sejam utilizados como VAR árbitros que estejam atualmente em atividade na competição em causa ou, em alternativa, árbitros que tenham pendurado recentemente o apito e que tenham um passado também na categoria a que se refere a partida. Isto impede que sejam utilizados árbitros de escalões inferiores na Liga NOS.

A FPF acredita que o treino dos árbitros não será um problema, até porque atualmente muita da sua preparação já passa pelo recurso às imagens de vídeo. Por isso, há a convicção de que bastam pequenos ajustes, nomeadamente na forma como é feita a comunicação, para que tudo corra sem problemas.

De acordo com as diretrizes do IFAB, o vídeo-árbitro tem ordens para apenas intervir em situações que podem mudar o jogo (golos, penáltis, vermelhos diretos e identificação trocada de jogadores). A ideia é que a intervenção do VAR seja mínima e em apenas em casos de decisões "claramente erradas". Pelo que lances em que estiver em causa a ‘intensidade’ nunca serão reavaliados.

Ainda pode haver carrinha

Apesar da intenção da FPF de querer colocar o vídeo-árbitro no centro instalado na Cidade do Futebol, é possível que alguns jogos levem à colocação de carrinhas junto aos estádios para instalar o VAR. Nesta altura, ainda é preciso fazer um levantamento completo dos recintos que têm acesso à rede de fibra ótica. Caso haja algum que não tenha, é possível que sejam colocados monitores numa carrinha até que a rede de fibra ótica esteja instalada. 

Linha de golo está a 'morrer'

A Tecnologia da Linha de Golo, já utilizada em várias competições, como a Premier League, está a perder terreno para o vídeo-árbitro. Tudo por causa dos custos: obriga à instalação de 14 câmaras no estádio, com um custo superior a 30 mil euros por partida. E só para resolver um problema que duas câmaras colocadas na linha de fundo também resolvem...

Atraso na TV de 1,7 segundos

Nos testes já conduzidos pela FPF, as imagens demoraram um máximo de 1,7 segundos a chegar à sala de vídeo-árbitro. Este é o tempo que passa entre um acontecimento dentro de campo e a emissão nos televisores disponíveis para o VAR. Este registo está dentro do estabelecido pelo protocolo com o IFAB, que exige um máximo de 2 segundos.

Tanto o sinal de TV como as comunicações entre o VAR e o árbitro de campo serão codificados, de forma a que não haja a possibilidade de serem alvos de interceção. A excelente rede de fibra no nosso país, que inclusivamente liga o continente à ilha da Madeira, é uma enorme mais-valia.

Por Sérgio Krithinas
43
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Liga NOS

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.