Angelino Ferreira: «Pinto da Costa deve saber que fui lá e não votei»

Ex-administrador reage às palavras do presidente

• Foto: Amândia Queirós

Depois de, no domingo, Angelino Ferreira ter feito reparos à convocação das eleições dos órgãos sociais do FC Porto para depois das eleições da SAD, Pinto da Costa criticou as declarações do antigo administrador com a pasta das finanças, na sua mais recente entrevista. A Record, Angelino Ferreira reafirmou a ideia e vincou a sua insatisfação face à forma como decorreu o ato eleitoral.

"Como disse à altura, deveriam ser os sócios a caucionar a direção do clube para esta indicar depois a administração da SAD. De outra forma, o valor estratégico das eleições do clube esvazia-se. Para mim, isto é sobretudo uma questão de princípio. As razões que foram dadas pelo senhor presidente sobre as datas das eleições não são justificativas. Poderão ser aceites por muitos associados do FC Porto, mas, para mim, não colhem e tenho razões que me assistem para assim pensar", disse, apontando o dedo ao ato eleitoral: "Como o voto não foi secreto, e muitos já o disseram e criticaram, na prática foi uma votação aberta. E eu, como não me revejo nesse tipo de processos, admito que o presidente Pinto da Costa tenha tomado conhecimento de que eu participei no ato eleitoral, mas não votei. Recolhi os boletins e vim para casa."

Na segunda-feira, Pinto da Costa referiu que o seu ex-administrador "deve estar perturbado pela Gaianima", numa referência ao processo de saída deste da já extinta empresa. "O senhor presidente fica incomodado, e com razão, quando alguma comunicação social mistura os seus assuntos pessoais com os do FC Porto. Mas teve o desplante de ele próprio introduzir o tema na sua entrevista. Lamento que o tenha feito, mas passando ao lado das inverdades que disse, tenho a esclarecê-lo que nada tenho para resolver com a Gaianima. Estou tão preocupado com o tema como com o FC Porto, ou seja, com total tranquilidade e transparência, tenho toda a disponibilidade para explicar os meus atos de gestão quer na Gaianima quer no FC Porto", referiu Angelino Ferreira.

Nem todos os impostos são pagos pela SAD

À boleia dos "40 milhões de euros pagos em impostos tantas vezes repetidos pelo senhor presidente", o ex-administrador lembrou que "nem todos os impostos são suportados pelo FC Porto". "Não questiono o valor, mas é certo que, dentro do volume de encargos de natureza fiscal, o grupo FC Porto suporta encargos ‘parafiscais’, como a segurança social, e impostos indiretos, como o imposto de selo e o IMI. Para além disso, há o IVA, que é suportado, mas é deduzido, e o próprio IRS, que é da responsabilidade dos colaboradores e não diretamente do grupo. Isto para dizer que não há grande rigor nos 40 milhões de euros, pois parte deles são encargos que saem da responsabilidade do FC Porto", disse.

Por André Monteiro
7
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de FC Porto

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.