Record

Deco: "Contestam as nossas vitórias porque têm muita inveja"

MÉDIO ASSUME A PELE DO DRAGÃO E REPUDIA A IDEIA DE TÍTULO VIRTUAL...

Deco: 'Contestam as nossas vitórias porque têm muita inveja'
Deco: 'Contestam as nossas vitórias porque têm muita inveja'

"GRAÇAS a Deus, sei perfeitamente em que clube vou jogar quando regressar a Portugal". Um desabafo demonstrativo do estado de espírito de Deco em pleno gozo de férias. O jogador não esquece o imbróglio em que esteve envolvido há um ano, e reclama agora por paz e sossego. Acima de tudo, quer ter umas férias calmas e recatadas junto da família e dos amigos.

Para trás ficou uma temporada... para lembrar. Primeiro o “caso Alverca”, depois as constantes lesões e, finalmente, a assinatura do contrato com o FC Porto. Sem dúvida o momento mais alto da época. Aos 21 anos, Deco atingiu o topo do futebol português. Chegou às Antas em Março, ganhou imediatamente um lugar nos eleitos de Fernando Santos e conseguiu um "bilhete" para o ilustre galarim dos pentacampeões.

Não poupa elogios ao grupo de trabalho portista, que tanto o ajudou para uma fácil adaptação, e aponta o dedo aos adversários, acusando-os de "inveja". Fazendo bem as contas, não há razões para questionar o domínio dos dragões. "O FC Porto não tem nada a provar a ninguém. Possui o melhor ataque, a melhor defesa, a melhor equipa, ganhou mais jogos e fez mais pontos. São evidências suficientes para ver quem é o melhor."

-- Este ano pode gozar as férias muito mais descansado do que quando deixou Portugal no final da temporada passada?

-- Graças a Deus, sei perfeitamente em que clube vou jogar quando regressar a Portugal. Estou num grande clube, onde me sinto muito bem. Estou de férias com uma situação muito mais tranquila, e isso é que é o principal nesta altura. Estou descansado porque sei que não tenho nenhum problema, ao contrário do que aconteceu na época passada. Não me vou esquecer de tudo o que passei. Estava rodeado por um sem-número de indecisões relativamente à minha carreira. Este ano será tudo completamente diferente. Desta vez voltei para o meu país relaxado e quero aproveitar ao máximo para descansar. Tenho um mês para retemperar energias e apresentar-me bem na próxima temporada.

(Após breve passagem por casa, uma semana em Cancún, no México, antes de voltar ao Brasil).

-- O imbróglio em que esteve envolvido, além de mexer com as férias, há um ano, atrapalhou, de certa forma, a programação desta época?

-- É óbvio. Estava sempre à espera do que poderia acontecer. Não tinha certezas sobre nada. Tive várias reuniões com António Simões, que estava no Brasil para resolver algumas situações. As férias não foram muito tranquilas. Primeiro estava preocupado em resolver a minha vida e só depois pensava em jogar. Mas isso agora é para esquecer. Desta vez não há problemas. Quero aproveitar ao máximo para descansar e estar com a família, os pais, os avós e com todos os amigos.

ÉPOCA POSITIVA

-- Esta temporada acabou por ser extremamente positiva para si. Começou no Salgueiros, onde jogou pouco, e já no final da época passou para o FC Porto, sagrando-se campeão...

-- Quer em termos de clube quer em termos pessoais, foi uma época boa. Fui para o FC Porto a meio do campeonato, ajudei a equipa a alcançar bons resultados e consegui ser campeão. No que diz respeito ao tempo de jogo é que foi mais complicado. Não joguei muito este ano, devido a várias lesões. Paciência, são situações normais do futebol e para as quais temos de estar preparados.

-- No cômputo geral, considera que realizou uma boa época?

-- Sim, claro, não tenho dúvidas quanto a isso. Graças a Deus no final de tudo, e avaliando o trabalho de toda a temporada, consegui chegar ao FC Porto e ser campeão. Qualquer jogador ambiciona chegar a um clube como o FC Porto.

-- Quando chegou a Portugal no princípio da época, alguma vez pensou que poderia ser campeão nacional?

-- Nunca. Só depois de chegar ao FC Porto é que me consciencializei que tinha condições para ser campeão. É um clube que tem todas as condições para isso.

-- Depois de tanto tempo parado no início da época, alguma vez sonhou dar o salto a meio da temporada?

-- Sempre almejei sair para um clube melhor, que me proporcionasse outro tipo de condições. Não digo que seja propriamente um sonho, mas sim o concretizar de um objectivo na minha carreira.

FÁCIL ADAPTAÇÃO

-- O Deco chegou ao FC Porto, foi apresentado e integrou-se imediatamente na equipa. No primeiro jogo com o Sp. Braga foi suplente, mas entrou ao intervalo e agarrou o lugar. Contava conquistar um lugar na equipa assim tão facilmente?

-- Só foi fácil porque tive a ajuda de todas as pessoas que trabalham naquele grande clube, quer jogadores, treinadores e dirigentes. A adaptação só foi fácil por causa deles. Foi uma integração extremamente fácil e simples. Fui muito bem recebido e tratado com o maior carinho. O grupo recebeu-me muito bem, e isso deixou-me bastante sensibilizado.

-- Notou uma grande diferença quando passou do Salgueiros para o FC Porto, tendo em conta a diferença de estruturas dos dois clubes?

-- Notei. Foi uma diferença muito grande porque são clubes de dimensões completamente diferentes, mas a adaptação foi muito fácil. O FC Porto tem um excelente grupo de trabalho e sabe receber da melhor maneira os jogadores que chegam de novo para o clube.

-- Como é que surgiu o interesse do FC Porto na sua contratação?

-- Surgiu dois dias antes de ir para as Antas. Isto é, interesse penso que já deveria haver, porque para me contratarem é porque já vinham observando as minhas exibições. Quando soube que o FC Porto estava interessado em contratar-me, fiquei bastante surpreendido e feliz.

INFORMÁTICA AVANÇADA

-- O FC Porto acabou de conquistar o “penta”. Um triunfo histórico não só para o clube mas também para o futebol português. Mesmo assim, não se livrou dos ataques dos adversários. Como interpreta as considerações feitas à vitória do FC Porto?

-- Se eu visse uma equipa que não fosse a minha ser campeã, é natural que também ficasse assim. Contestam as nossas vitórias porque têm muita inveja. Se quem não ganha fala dessa maneira, demonstra que é realmente um mau perdedor. Quem não ganha está sempre a dizer que é injustiçado e nunca reconhece que os outros são melhores. São situações a que já estamos habituados e que não interferem nada com o nosso trabalho. O FC Porto não tem nada a provar a ninguém. Possui o melhor ataque, a melhor defesa, a melhor equipa, ganhou mais jogos e fez mais pontos. São evidências suficientes para se ver quem é o melhor.

-- O presidente do Benfica referiu que o FC Porto é um "campeão virtual". Que espécie de comentário lhe merece tal afirmação?

-- Sinceramente, não merece nenhum comentário especial. A verdade é que o FC Porto é um legítimo campeão. Ser campeão virtual cinco anos seguidos é muito complicado. Só se a nossa informática estiver bem mais avançada. Não vou tecer grandes considerações porque é uma reacção normal de quem perde. Resume-se a muita inveja das pessoas.

EQUIPA MAIS CONSISTENTE

-- Em jeito de balanço, considera que o título de campeão está bem entregue?

-- Mesmo não tendo estado no plantel desde o princípio da época, acompanhei sempre com muita atenção a carreira do FC Porto. Foi a melhor equipa ao longo de toda a temporada, a mais consistente, forte e estruturada. Foi, sem dúvida, a única equipa que correspondeu sempre nos momentos decisivos. Quando foi preciso ganhar, ganhou. Foi a mais regular, e isso fica bem traduzido nos pontos conquistados.

-- Falando em jogos decisivos, o encontro da Luz foi considerado como o grande momento da sua afirmação na equipa do FC Porto. Arrancou uma excelente exibição e confirmou todas as expectativas que o envolviam. O embate com o Benfica foi um momento especial para si, tendo em conta a forma como foi "esquecido" na Luz?

-- Não foi importante para mim, mas sim para o FC Porto. Jogos entre estas duas equipas revestem-se sempre de grande importância. Eu só queria ajudar a ganhar o jogo e nada mais. Foi um clássico, tal como com o Sporting.

-- Já que falou no Sporting, no jogo de Alvalade parece ter entrado em campo algo ansioso. Foi por saber que já era campeão?

-- Não é verdade que tenha entrado ansioso. Simplesmente, entrei com muita vontade de jogar, mas senti a lesão logo aos 10 minutos. Acho que nem tive tempo de entrar no jogo.

-- Lesão que o impediu depois de defrontar o Estrela da Amadora no jogo da consagração?

-- Sim, queria muito jogar, mas a minha preocupação imediata foi apenas recuperar rapidamente da lesão e não em querer entrar no jogo da festa. Todos gostam de jogar, é um jogo muito especial, mas para mim o mais importante foram os jogos que valeram os pontos e o título. A presença no jogo com o E. Amadora era uma recompensa, mas havia jogadores que mereciam mais, como é o caso do Rui Barros, que jogou a época toda. Sinto-me campeão, fiz parte da festa como todos os que não jogaram nessa partida.

-- E a próxima temporada?

-- Só Deus sabe. Quero treinar-me, fazer a pré-temporada e jogar bem para ganhar a confiança do técnico. Espero que a próxima época seja melhor, assim como espero que o dia de amanhã seja melhor do que hoje. Se fizer uma boa pré-época, ficam construídas as bases para realizar uma boa temporada.

"RUI BARROS É UM GRANDE EXEMPLO"

Deco nunca escondeu uma grande admiração por Rui Barros. Por diversas ocasiões ao longo da temporada, o médio brasileiro referiu-se ao experiente jogador como um dos exemplos a seguir por qualquer profissional de futebol.

Não só por aquilo que Rui Barros significa como atleta, mas também pelo elevado profissionalismo que evidenciou em toda a carreira. Deco não esconde, por isso, a vontade de um dia chegar ao patamar atingido pelo internacional português.

-- Sempre que fala dos colegas de equipa, refere-se ao Rui Barros. Tem algum carinho especial por ele? Considera-o um exemplo?

-- O Rui Barros é um grande exemplo como homem e como jogador. Admiro-o bastante. Vejo com muita atenção a forma como ele se treina e se entrega nos jogos. Olho para ele como um grande exemplo, não só para mim mas para todos os jogadores de futebol. O Rui ganhou muita experiência quando jogou no estrangeiro e neste momento transmite tudo aos mais jovens. É muito importante para o plantel ter um atleta como ele. Existem outros jogadores que também admiro muito, como o Aloísio. Acredito que no futuro também possa ter essa dedicação, porque gosto muito de futebol. Vejo neles o prazer de jogar futebol. É gratificante ver a forma como eles trabalham. É bonito e faz do futebol ser a paixão que é.

"TEMOS CONDIÇÕES PARA GANHAR A LIGA DOS CAMPEÕES"

Os dragões apostam mais do que nunca numa brilhante campanha na Liga dos Campeões. Depois de dois anos bastante apagados, o grupo de trabalho portista está novamente empenhado em elevar a equipa ao mais alto nível europeu. Deco fará a sua estreia na mais importante competição de clubes do Velho Continente. Mais um desafio motivante para o jovem médio brasileiro, que, mesmo não tendo participado na edição da época passada, foi um espectador atento dos jogos do FC Porto. Esta temporada garante que tudo será diferente, esperando que para isso a sorte mude e seja possível chegar ao topo da Europa.

-- Acredita que o FC Porto consiga esta temporada afirmar-se definitivamente na Liga dos Campeões?

-- Sinceramente, espero que esta época a carreira na Liga dos Campeões seja melhor. Acompanhei com atenção os jogos do FC Porto e vi que tiveram muito azar. Tínhamos, de longe, a melhor equipa do grupo. Estou convicto que este ano será melhor. O nosso objectivo é tentar ganhar o maior número de jogos e chegar o mais longe possível na prova. Se calhar até ser campeão europeu. O FC Porto, quando entra numa competição, é sempre com a intenção de vencer. Temos condições para ganhar a Liga dos Campeões.

RUI SOUSA

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de FC Porto

Notícias

Notícias Mais Vistas

M