Dos 'iluminados" à "Juventus de Portugal": FC Porto 'dispara' em todas as direções após título

'Dragões Diário' lança farpas a quem criou "novas ficções" sobre os azuis e brancos ao longo da época

• Foto: Reuters

O 'Dragões Diário' sublinhou esta quinta-feira as "circunstâncias" em que o título do FC Porto foi alcançado e que o tornam "um feito épico", lançando farpas a quem criou "novas ficções" sobre os azuis e brancos ao longo da época. 
 
"À terceira jornada, no Estádio da Luz, o FC Porto ia ser goleado, ia ficar a seis pontos da liderança e com o campeonato ainda mais perdido. Lá se safou… (...) Entretanto, o FC Porto conseguiu mesmo alcançar o primeiro lugar, mas chegou a pandemia, o futebol parou e a vantagem sobre o Benfica era escassa: um ponto, apenas. Inventaram, então, uma nova ficção: no Dragão ninguém queria a retoma do campeonato. O medo era avassalador, diziam eles, e só havia uma hipótese de o FC Porto ser campeão: na secretaria. Depois, o campeonato lá voltou e o FC Porto até perdeu em Famalicão. As teorias dos iluminados pareciam cada vez mais brilhantes. A partir daí já nada havia a fazer. O destino era inevitável. A Juventus de Portugal ia mesmo chegar lá! E não é tudo, obviamente, mas seria fastidioso enumerar todos os motivos que quem só nos quer mal foi sempre encontrando para nos tentar mandar abaixo. É mais simples resumi-los numa expressão curta: era por tudo e por nada", pode ler-se na newsletter desta quinta-feira.

Leia aqui:

"As circunstâncias em que este título foi alcançado tornam-no um feito épico, bem à imagem de algumas das maiores façanhas da história centenária do FC Porto. Recordemos alguns factos:
 
1. 2019/20 está a ser a mais longa temporada de sempre, uma vez que começou a ser preparada a 3 de julho do ano passado, há mais de um ano, e ainda inclui mais três jogos oficiais.
 
2. A pandemia da covid 19 não só impôs uma paragem longa e inesperada na competição como implicou transformações importantes no quotidiano da equipa e na vida de todos os seus membros.
 
3. A ausência de público nos jogos que se seguiram à retoma do princípio de junho é uma anormalidade com um impacto sério no grupo, como já foi reconhecido em várias ocasiões.
 
4. O FC Porto partiu para esta época sem algumas das figuras importantes dos anos anteriores, como Iker Casillas – que ontem esteve no relvado a festejar um título que também é dele –, Éder Militão, Felipe, Herrera e Brahimi.
 
5. A derrota na primeira jornada – que, como se confirmou ontem, não passou de um percalço ultrapassado com distinção – fez soar as campainhas de quem nos quis traçar um destino quando a procissão ainda nem tinha saído do adro: o FC Porto nunca tinha sido campeão depois de entrar na liga a perder, pregavam com entusiasmo.
 
6. À terceira jornada, no Estádio da Luz, o FC Porto ia ser goleado, ia ficar a seis pontos da liderança e com o campeonato ainda mais perdido. Lá se safou…
 
7. Em janeiro, a derrota com o Braga deixava o primeiro lugar a sete pontos de distância e as faixas alheias já podiam ser encomendadas. O xeque-mate aconteceria no mês seguinte, quando o Benfica sairia do Dragão com dez pontos de vantagem sobre o FC Porto – isto foi anunciado, exatamente assim, numa televisão, por uma mente brilhante que para aí anda. Afinal, saiu tudo ao contrário.
 
8. Entretanto, o FC Porto conseguiu mesmo alcançar o primeiro lugar, mas chegou a pandemia, o futebol parou e a vantagem sobre o Benfica era escassa: um ponto, apenas. Inventaram, então, uma nova ficção: no Dragão ninguém queria a retoma do campeonato. O medo era avassalador, diziam eles, e só havia uma hipótese de o FC Porto ser campeão: na secretaria.
 
9. Depois, o campeonato lá voltou e o FC Porto até perdeu em Famalicão. As teorias dos iluminados pareciam cada vez mais brilhantes. A partir daí já nada havia a fazer. O destino era inevitável. A Juventus de Portugal ia mesmo chegar lá!
 
10. E não é tudo, obviamente, mas seria fastidioso enumerar todos os motivos que quem só nos quer mal foi sempre encontrando para nos tentar mandar abaixo. É mais simples resumi-los numa expressão curta: era por tudo e por nada.
 
Essa gente esquece-se de uma coisa: nós somos o Porto. Nós temos o melhor presidente da história do futebol. Nós temos um treinador excecional. Nós temos uma grande equipa. Nós temos adeptos únicos. Nós temos uma causa que é muito maior do que qualquer um de nós. Nós damos tudo por ela".

Por Record
90
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de FC Porto

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0