FC Porto diz ser o "único grande clube europeu do futebol português"

Dragões sublinham "consistência que mais ninguém em Portugal tem tido capacidade para acompanhar"

• Foto: José Gageiro / Movephoto

O FC Porto sublinhou esta sexta-feira ser o "único grande clube europeu do futebol português". Na newsletter 'Dragões Diário', os azuis e brancos sublinham vários dados, como os "sete títulos internacionais conquistados entre 1987 e 2011, enquanto os outros clubes portugueses têm apenas três alcançados entre 1961 e 1964" e o papel de Sérgio Conceição ao longo dos últimos anos.

"O feito confirmado na terça-feira não foi esporádico, antes se enquadra numa tendência clara de intromissão do clube entre os principais tubarões do futebol europeu. (...) Uma coisa é participar nas competições europeias, outra coisa é ser um clube europeu. Isso só se consegue com uma consistência que mais ninguém em Portugal tem tido capacidade para acompanhar e que poucos na Europa se podem gabar de ultrapassar", pode ler-se.

Leia o texto na íntegra:

"A qualificação para os oitavos de final da Liga dos Campeões, garantida na terça-feira frente ao Manchester City, ajudou a consolidar um estatuto que o FC Porto já detém há vários anos: o de único grande clube europeu do futebol português. Mas o que é que fundamenta, afinal, essa condição de "grande clube europeu" e a sua singularidade no panorama do futebol nacional?
 
Desde logo, um conjunto de dados já bem conhecidos – sete títulos internacionais conquistados entre 1987 e 2011, enquanto os outros clubes portugueses têm apenas três alcançados entre 1961 e 1964; número de participações na Liga dos Campeões só ultrapassado pelo Barcelona e o Real Madrid; 16 qualificações para fases a eliminar da Champions  –, aos quais se juntam outros que passam mais despercebidos e que também são muito relevantes.
 
O facto de o apuramento para os oitavos ter sido confirmado na penúltima jornada da fase de grupos é um indício forte de consistência de resultados. Se tivermos em consideração que o FC Porto até perdeu o primeiro jogo, em Inglaterra, verifica-se que os quatro seguintes foram suficientes para construir uma vantagem que o coloca entre as 16 melhores equipas da Europa, o que não deixa de ser notável tendo em conta o grau de dificuldade da competição.
 
Este tipo de apuramento precoce está longe de ser uma novidade. Com Sérgio Conceição, é a segunda vez que acontece – em 2018/19, também foi na quinta jornada que os Dragões garantiram a passagem à fase seguinte. E em dez das 16 qualificações não foi preciso esperar pelo último jogo. Ou seja, o FC Porto não só vai muitas vezes à Liga dos Campeões como ultrapassa a primeira fase da prova na maior parte das ocasiões e consegue-o normalmente com um conjunto notável de resultados.
 
Desde que é treinado por Sérgio Conceição, o nível do clube na fase de grupos é particularmente superlativo. Foram obtidas três qualificações em três possíveis, à custa de 11 vitórias e três empates em 17 jogos, o que corresponde a praticamente dois terços de triunfos (65%). São números de equipa grande à escala internacional.
 
O que a história da participação do FC Porto na Liga dos Campeões demonstra é que o feito confirmado na terça-feira não foi esporádico, antes se enquadra numa tendência clara de intromissão do clube entre os principais tubarões do futebol europeu. Como já escrevemos na edição de quarta-feira, uma coisa é participar nas competições europeias, outra coisa é ser um clube europeu. Isso só se consegue com uma consistência que mais ninguém em Portugal tem tido capacidade para acompanhar e que poucos na Europa se podem gabar de ultrapassar".

Por Record
24
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de FC Porto

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.