Francisco J. Marques aponta golo irregular do Benfica e expulsão perdoada a Samaris

Diretor de Comunicação do FC Porto critica inoperância do VAR

• Foto: Movenotícias

O clássico continua a dar que falar e desta feita foi Francisco J. Marques quem abordou o jogo entre os rivais FC Porto e Benfica, que resultou na vitória dos encarnados.

Na ótica do Diretor de Comunicação dos dragões, o jogo ficou marcado por dois lances que mereciam ter sido analisados pelo VAR: o primeiro golo das águias, no qual o dirigente azul e branco considera existir falta de Seferovic; e uma entrada de Samaris sobre Corona, que, para Francisco J. Marques, era digna de cartão vermelho.

"Gostaria de chamar à atenção para dois lances: o primeiro golo do Benfica é precedido de falta. Ainda posso admitir que o árbitro possa não vislumbrar a falta do Seferovic sobre o Manafá no campo, mas a falta é claríssima e é inadmissível que o VAR não tenha interferido. O braço do Seferovic faz falta. É uma falta clarísisma. Como é que o VAR não interfere? No lance do golo do FC Porto, o VAR esteve imenso tempo a analisar, algo que admito que se justifique. E neste não há análise? O Seferovic com o braço esquerdo impede o Manafá que vai ganhar a posição. O golo é irregular", começou por dizer o dirigente, deixando críticas à transmissão televisiva.

"Por que é que esta imagem, esta perspetiva, que foi revelada hoje [câmara atrás da baliza] foi escondida até terça-feira? Esta imagem tinha que ser passada durante a transmissão para esclarecer que há uma falta e que o golo é mal validado. E não consigo entender como é que o VAR, o senhor Tiago Martins, não dá indicação ao árbitro Jorge Sousa para ir ver o lance ou a alertar para a falta", apontou, antes de analisar o lance que envolveu Samaris e Corona.

"Há outro lance, que é o amarelo ao Samaris. É uma entrada violenta porque não vai disputar a bola. Só podia ser cartão vermelho. Não vai para disputar a bola, vai de forma muito agressiva e põe em causa a integridade física do Corona. E mais uma vez o VAR não interveio para dizer ao árbitro da gravidade da falta", considerou.

Apesar de assumir que o deslize frente ao rival foi difícil de gerir, sobretudo por representar a perda da liderança, Francisco J. Marques não atirou a toalha ao chão.

"O que aconteceu no sábado foi uma derrota dura porque significou a perda da liderança, mas faltam 10 jornadas e nestas 10 é que se vai decidir tudo. O FC Porto não depende de si próprio, mas só pode continuar a fazer tudo o que está ao seu alcance para tentar reconquistar o título de campeão", concluiu.

Por Pedro Morais
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de FC Porto

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.