Francisco J. Marques: «Benfica apoia claques ilegais e vive num regime de exceção»

Diretor de comunicação do FC Porto apresentou uma carta enviada por Paulo Gonçalves ao IPDJ

• Foto: MoveNotícias

Francisco J. Marques voltou à carga contra o que entende ser um apoio ilegal do Benfica a "claques não registadas". O diretor de comunicação do FC Porto apresentou uma carta assinada por Paulo Gonçalves, em nome do Conselho de Administração da SAD, na qual, para o dirigente azul e branco, o ex-assessor jurídico dos encarnados confessa que "ajuda no transporte de adeptos".

"O Benfica, através desta carta, confessa que ajuda no transporte dos adeptos para os jogos fora E esses adeptos toda a gente sabe quem são, 90 por cento são das claques. Claques não registadas. E as SAD's são proibidas de ajudar grupos de adeptos não registados. Mas há identidades que exibem isso. E exibem porquê? Porque o IPDJ, que devia perceber que há aqui uma confissão, decide não olhar. Mas da mesma forma, a PSP também sabe quem organiza e custeia isto tudo. A carta revela várias coisas. Primeiro, que Paulo Gonçalves representava a SAD. Depois prova que o Benfica apoia de forma ilegal claques não registadas e não inscritas como a lei portuguesa impõe. Isto aconteceu durante anos a fio sem que nada acontecesse. Estamos perante um regime de exceção perante um clube.  O Benfica desde tempos imemoriais reclama regime de exceção. Se há uma lei a que obriga a que as claques devem estar registadas, o Benfica não tem que a cumprir, mas acha que deve ter os mesmos direitos . E isto é ser-se maior que Portugal", criticou Francisco J. Marques.

Por Pedro Morais
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de FC Porto

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.