Sérgio Conceição não se sente alvo da investigação da PJ

Técnico nunca teve acesso aos testes Covid e entregou telemóvel de boa vontade

Sérgio Conceição está tranquilo em relação a tudo que diga respeito à investigação em curso por parte da PJ relativa à alegada adulteração de testes Covid e que levou a buscas por parte das autoridades durante o dia de ontem nas instalações do FC Porto.

Os inspetores estiveram desde manhã cedo no Estádio do Dragão, mas também marcaram presença no Olival, local que apenas abandonaram por volta das 23 horas na sequência das diligências motivadas pela operação Covid Free. 

Ao que Record apurou, e mesmo estando ciente de que não teve qualquer envolvimento em factos que pudessem levantar suspeitas à Polícia Judiciária, Conceição sente-se revoltado com a situação que teve de passar, e para a qual não encontra qualquer justificação. O treinador do FC Porto, segundo os procedimentos internos, tem apenas conhecimento dos resultados dos testes realizados ao plantel, não lhe sendo comunicados outros detalhes de cariz médico relativos a relatórios relacionados com a Covid-19. 

Ainda assim, e tendo sido instado nesse sentido, Sérgio Conceição "entregou o telemóvel de boa vontade", mantendo-se com a consciência tranquila em relação a quaisquer factos que possam estar na mira da PJ e os quais desconhece por completo. Na sua perspetiva, pelas informações que conseguimos apurar, a investigação está centrada sobretudo no departamento médico dos dragões e na administração da SAD, a par de outros elementos externos ao clube e que poderão estar envolvidos, nomeadamente, na saída por empréstimo de Nakajima para o Al Ain que foi conduzida pelos seus representantes, ou na manipulação dos resultados de testes, que diz respeito aos laboratórios clínicos que procediam à sua recolha e análise.

De resto o internacional japonês, cujo caso parece ter sido o ponto de partida para a investigação em curso, foi dispensado por Sérgio Conceição e já não fazia parte dos seus planos para a temporada oficial ao tempo dos factos que foram conhecidos publicamente, pelo que o seu envolvimento, segundo fonte próxima do caso nos reportou, "nem faria sentido".

A partir daí, a interpretação feita é de que o treinador do FC Porto foi envolvido por formalidade, dado ser um elemento proeminente da estrutura azul e branca, rejeitando todo o frenesim mediático criado em torno do seu nome. Conceição manteve-se sempre distante de qualquer participação direta em situações que pudessem dizer respeito ao negócio de Nakajima, o processo da sua viagem ou aos testes Covid que teve ou não de realizar, bem como a todo e qualquer pormenor clínico respeitante a outros testes realizados por elementos do plantel durante a época.

Por Record e André Monteiro
43
Deixe o seu comentário
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de FC Porto

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.