Carlos Carvalhal reclama mais competição: «Tenho metade do trabalho que tinha»

Treinador do Rio Ave diz que em Inglaterra não tinha sequer uma ou das horas de tempo livre

• Foto: David Cabral Santos

O Rio Ave recebe domingo (15 horas) o V. Guimarães em jogo em atraso da 1.ª jornada da Liga NOS, sendo o único do campeonato que decorre este fim de semana devido aos compromissos das seleções. Este sábado, na antevisão partida, Carlos Carvalhal reclamou mais competição em Portugal, dando como exemplo o que se passa em Inglaterra.

"Uma das dificuldades que tenho sentido decorre do facto de estar habituado a uma dinâmica de trabalho que me levava a não ter uma ou das horas de tempo livre. Tinha uma dinâmica de jogo de terça a sábado, não havia muito tempo para celebrar as vitórias ou fazer o luto pelas derrotas. Não estou evidentemente de férias, mas tenho metade do trabalho que tinha porque tenho metade dos jogos. Não quero ser crítico quanto à calendarização mas eu quero jogos. Em dezembro em Inglaterra há dinheiro e em Portugal também. É o Natal, regressam muitos emigrantes. Estamos aqui para servir, para entreter as pessoas. A minha profissão é para isso. Temos competição a menos em Portugal. É muito pouco", referiu na conferência de imprensa de antevisão do jogo em atraso da Liga NOS com o V. Guimarães.

O treinador analisou o mercado de transferências e perspetivou o jogo com os vimaranenses. "Estamos focados na nossa identidade. Isso significa que estamos a preparar o nosso jogo e a subjugar menos o nosso jogo ao adversário. Temos apresentado uma dinâmica muito boa, principalmente em casa. Fizemos boas exibições, mas este vai ser o jogo mais difícil até agora em casa. Espero um V. Guimarães com uma identidade bem marcada, com uma dinâmica ofensiva forte, forte defensivamente e muito bem organizado. Não esperamos facilidades".

O técnico do Rio Ave continuou dizendo que preferia ter jogado na primeira jornada e recusando a ideia de que os adversários passem a olhar de forma diferente para o Rio Ave após o triunfo frente ao Sporting. "Vamos procurar ser sempre uma equipa fresca, que jogue bom futebol e que tente ganhar todos os jogos. Temos de estar preparados para que os adversários possam condicionar a nossa forma de jogar, mas só acontece isso a quem tem qualidade de jogo. Ainda não estamos nesse patamar, mas queremos consegui-lo ao longo do campeonato,", referiu.

Carvalhal lamentou que o estádio do clube não possa encher no desafio de domingo. O recinto dos vila-condenses tem problemas estruturais numa das bancadas, que teve de ser interditada ao público, reduzindo, significativamente, a capacidade de acolher adeptos das equipas visitantes, algo que Carlos Carvalhal admite deixar "o espetáculo mais pobre".

"Lamento não termos o estádio cheio, porque dá gosto ver os adeptos do Vitória de Guimarães a vibrar com a equipa. Nós profissionais gostamos de ter gente nos jogos, mas infelizmente houve este incidente a que somos alheios, e que fará com que a bancada não esteja disponível para a época. Será assim para todos os clubes que nos visitem", lamentou o treinador do Rio Ave.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Rio Ave

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.