João Henriques: «O chavão 'quem não mata, morre' concretizou-se»

Técnico apontou falta de eficácia dos açorianos na derrota com o FC Porto

• Foto: Pedro Ferreira

João Henriques, técnico do Santa Clara, considerou esta segunda-feira que a eficácia fez toda a diferença após a derrota diante do FC Porto (0-2) em partida da 23.ª jornada da Liga NOS mas destacou que a equipa açoriana fez mais uma boa exibição. 

"Fizemos 12 remates à baliza, o FC Porto sete. Enquadrados foram dois para o FC Porto e deram golo, nós tivemos três e zero golos. De resto, o Santa Clara fez um jogo muito competente, fez mais uma boa exibição contra um 'grande' com qualidade individual e qualidade coletiva, a demonstrar que a equipa está num bom momento, apesar da derrota. O Santa Clara mais uma vez deixou orgulhosa toda esta região e todos estes adeptos, porque viram a equipa a disputar um jogo contra uma equipa fortíssima", afirmou o treinador em conferência de imprensa.

"Nós somos a quinta equipa no campeonato que cria mais oportunidades de golo. E somos a equipa que tem o índice de eficácia mais baixo e isso é um facto. Não podemos fugir a ele. É preciso ter uma pontinha de felicidade nesse momento. Não fomos felizes nessas duas bolas nos travessões e depois sujeitamo-nos. O chavão do futebol 'quem não mata, morre', concretizou-se mais uma vez", acrescentou João Henriques. 

Golo decisivo antes do intervalo 
 
"Aconteceu o golo naquele minuto [Manafá marcou aos 37'], onde é mérito do adversário e algum demérito da nossa parte, porque sabíamos que o FC Porto é muito forte a fazer exatamente aquilo que fez e nós não fechámos tão bem como devíamos. Permitimos que o FC Porto tivesse a única oportunidade flagrante da primeira parte e concretizou."

Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Santa Clara

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.