A "incompetência" que levou leões a vetar Bruno Paixão

Árbitro volta a ajuizar encontro de Sporting 4 anos depois

Depois de uma "pausa" de quatro anos, Bruno Paixão voltou a ser nomeado para um jogo do Sporting, desta feita frente ao Nacional. A última vez que o juiz de Setúbal havia arbitrado um encontro dos leões tinha sido numa visita ao Gil Vicente (2011/12), a 19 de março de 2012, que terminou com uma derrota dos leões por 2-0 e duras críticas à arbitragem "acompanhadas" de um pedido de... irradiação.

"É muito triste preparar um jogo durante a semana e chegar ao final de semana e sermos arbitrados por um árbitro incompetente, que não devia estar no futebol nacional e não devia arbitrar seja um jogo do Sporting ou outro qualquer. É um individuo que devia ser irradiado do futebol português. O mais grave é sentirmos que estamos num desporto em que devemos pugnar pela verdade desportiva e aquilo que verificamos é que não há uma atitude isenta e de qualidade. Não estou a falar em dolo, em roubo, em corrupção, estou a falar de qualidade, que não existe neste interveniente para arbitrar seja qual jogo for deste campeonato", afirmou o então presidente do Sporting Godinho Lopes.

Recorde-se que o Gil Vicente venceu o encontro (2-0), o primeiro golo marcado por Rodrigo Galo e o segundo por Cláudio de grande penalidade... a segunda assinalada no mesmo minuto a favor dos gilistas, num jogo em que os leões acabaram com 10 em campo após a expulsão de Schaars por duplo amarelo.

"Desde o primeiro dia o Sporting procurou uma atitude construtiva e positiva, procurou apresentar um trabalho para que houvesse arbitragem profissional em Portugal, porque temos perfeita noção de que o espetáculo só é válido quando as três partes intervenientes têm qualidade. Fomos mal interpretados", assumia o dirigente na ocasião.

8
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Sporting

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.