Bruno de Carvalho e a "verdade" sobre a situação financeira: dos milhões da NOS ao ativo duplicado desde 2013

Presidente do Sporting aborda empréstimos obrigacionistas em artigo de opinião

• Foto: Luís Manuel Neves

Como "da oposição à cartilha, todos vão envenenando a opinião pública" sobre a situação financeira do Sporting, segundo escreve Bruno de Carvalho, o presidente dos leões aponta agora a "verdade" num artigo publicado no 'Diário de Notícias' desta segunda-feira. Numa página de opinião assinada pelo dirigente dos verde e brancos, BdC sublinha vários valores para mostrar a evolução positiva das contas do clube desde 2013. A título de exemplo, o ativo da Sporting SAD ascende a 287 milhões de euros, mais do dobro do que apresentava quando foi eleito presidente, "sendo que a valorização real dos ativos dos jogadores não está registada". 

"Crescimento sustentado de todas as linhas de receitas comerciais (...), redução/controlo de custos, seguido de uma fase de investimento com um aumento de custos de forma controlada e sustentada; forte crescimento das receitas de venda de direitos económicos de atletas, com as duas maiores transferências de sempre da história do Sporting e Portugal por 70 milhões de euros + objetivos (...); melhor contrato de direitos TV em Portugal com a NOS num total global de 515 milhões (...)", pode ler-se na página daquele diário.

"Em termos de passivo destaca-se a redução da dívida bancária em 75 milhões de euros desde 2013, 16 milhões dos quais na presente época, o que é uma amortização superior ao que estava previsto no acordo com os bancos até junho de 2022", escreveu.

Não satisfeito com os resultados conseguidos, o Sporting negociou, nos últimos meses, uma melhoria das condições da reestruturação financeira, "não por necessidade de financiamento adicional pelos Bancos (BCP/NB) ou por um falhanço da reestruturação, mas sim pelo sucesso da mesma", revelou o presidente. Ou seja, o clube de Alvalade recorreu a empréstimos obrigacionistas. "Consideramos que o ponto de maior importância para os sócios do Sporting é a alteração do valor máximo a pagar para garantir a manutenção da maioria na SAD passando de 44 milhões para 17,5 milhões, dos quais já temos na conta reserva 5 milhões e no início da próxima época já teremos a totalidade necessária para garantir a maioria na SAD".

E concretizou, explicando que "esta negociação foi conseguida sem aumento das taxas de juros e sem entrega de garantias adicionais aos bancos".

"Isto tudo também serve para 'perceber' a posição tornada pública pela Holdimo, com o pedido de uma AG da SAD, pois a mesma percebeu que rapidamente a sua posição ficará diluída (cerca de 10% face aos 26% atuais). No final das contas a verdade é que um investimento em obrigações é bom independentemente da SAD, sendo que inegavelmente, pois contra factos não existem argumentos, as do Sporting ainda se demonstram como um investimento melhor e muito seguro", escreveu.

"Mas não devemos esquecer que estes ataques espúrios, de elementos de outras SAD ou a mando das mesmas (já para não falar da pequena, mas irresponsável, oposição interna no Sporting) prejudicam seriamente o mercado", concluiu.

101
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Sporting

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.