Bruno de Carvalho: «Tinha de acabar a reunião e sobre as tarjas disse 'façam o que quiserem'»

Ex-presidente explica sentido da frase dita aos membros da Juve Leo

• Foto: Paulo Calado

No interrogatório judicial, que a RTP divulgou, Bruno de Carvalho foi confrontado com a sua célebre expressão para elementos da Juve Leo "façam o que quiserem", numa reunião na sede da claque a 7 de abril. O antigo presidente esclareceu que apenas quis 'despachar' a reunião e qu o tema era outro.

"O tema da conversa foi 90 por cento o ataque que fiz, segundo eles, ao Fernando Barata. E alguem diz 'vamos fazer uma tarjas com frases'. A verdade é que tinha de acabar a reunião e disse relativamente às tarjas 'façam o que quiserem', porque sabia que o 'façam o que quiserem' era inócuo", esclareceu Bruno de Carvalho ao juiz de instrução do Barreiro.

BdC foi ainda confrontado com as tochas lançadas pela Juve Leo na direção de Rui Patrício no dérbi da época passada com o Benfica, que considera "mera parvoíce". "A única coisa que queria era fazer uma homenagem a um adepto morto, porque fazia parte da combinação para eles se acalmarem, e depois eles fizeram aquilo", começou por dizer, com o juiz a recordar os comentários 'aquilo foi lindo': "Não são meus, de certeza, fiquei espantado e achei mera parvoice."

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Sporting

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.