Record

Da auditoria às claques e Bruno de Carvalho: tudo o que disse Varandas em conferência de imprensa

Presidente dos leões fez balanço e exposição sobre o atual cenário em Alvalade

• Foto: Pedro Ferreira
- Termina a conferência de imprensa em Alvalade.

Antecipar receitas da NOS

Responde Zenha: "Esta direção não comunicou nada, não tenho comentários a fazer".

Academia

"Vamos apostar forte. Tenho um sonho e vai ser realizado: em 2022 faz 20 anos e garanto que não haverá nenhuma academia melhor do que a do Sporting".

Reação à contratação do sogro de BdC

"Fiquei estupefacto quando percebi que em 16 anos gastou-se menos em todas as sociedades de advogados do que naquela, em que o sogro era associado."

Keizer vai continuar se não ganhar a Taça e falhar o segundo lugar?

"Não vivo de 'ses'. Acreditamos no nosso treinador."

BdC acusa-o de planear candidatura desde 2016

"Um mentiroso compulsivo será sempre um mentiroso compulsivo. O senhor BdC já obrigou duas vezes os sócios a saírem de casa e a dizer que o lugar dele é em casa e longe do Sporting. A acusação é ridícula. Sou sócio do Sporting desde que nasci, fui atleta até aos nove anos, estive um ano sem pagar quotas - estive não, os meus pais - , aos 10 anos o meu avô voltou a fazer-me sócio. Se não quisesse recuperar o número de sócio, tinha 20 anos de sócio, podia candidatar-me as vezes que quisesse. Mas em 2016 aproveitei essa campanha e paguei um ano de quotas para ter 38 anos de sócio"

De que ameaças fala?

"Não gosto do ambiente criado com uma equipa que se está a reerguer, mensagens intimidatórias para os jogadores. Foi visível nas redes sociais, não ajuda. Fiz parte de uma claque, acho-as importantes, mas claques que apoiem."

Quando haverá um Sporting sustentável?

Zenha: "Estamos a trabalhar nisso, a seu tempo teremos a situação financeira completamente definida. Entretanto vamos trabalhando".

Formação tem pouco espaço com Keizer

"Quando se vai ao mercado de janeiro ou de verão, compra-se um jogador feito. Na formação não se compra, forma-se e isso demora tempo. Não tenho dúvida que o treinador vai jogar com quem tiver qualidade e o futuro do Sporting tem de ser com a base da equipa com a formação, mas para isso temos de ter qualidade."

Se houvesse eleições, teria a preferência dos sócios?

"Esta direção está aqui porque a maioria dos sportinguistas quis. Esta direção nunca disse que tem o objetivo de ser popular. Muitas vezes somos obrigados a tomar medidas que não são populares mas que são as melhores para o Sporting."

Ano zero ou -1?

"Quero que o clube saia desta espiral. Mas enquanto as pessoas acharem que é só sentar-se aqui e gritar que vamos vencer... É preciso qualidade, que só vem com trabalho. Se um clube que vem de onde vem, perdendo o que perdeu desportivamente e financeiramente, se achávamos que era fácil chegar aqui e vencer, estávamos a brincar com os outros clubes."

Se os resultados não surgirem, mudará o rumo? Mudou Peseiro...

"Sabemos para o que viemos, isto é um clube desportivo que vive de resultados. Mas se julgam que é chegar aqui e gritar que é preciso atitude, é, mas não chega. Em relação a Peseiro, entendemos que não fazia parte do nosso rumo."

Auditoria

"Toda a auditoria será entregue ao Conselho de Disciplina."

- Tempo para sessão de perguntas dos jornalistas.

Varandas conclui

"Temos um rumo. Estamos a implementar reformas no futebol profissional, de formação, modalidades, toda a máquina empresarial. Não se vence à custa do grito, na base da ameaça, com demagogia, com venda de ilusões. Pois as ilusões desiludem sempre as pessoas quando a realidade bate à porta. Mas também não se vence a bater com a mão no peito no dia de jogo quando se trabalha mal durante a semana.

A camisola do Sporting tem sempre obrigação de ganhar, mas as camisolas não vencem jogos. Não é por vestir uma camisola que o jogador joga 10 vezes mais. É a qualidade que nos faz ganhar, a qualidade vem do trabalho sério e competente. Sem estabilidade ninguém vence. Vejam os anos de estabilidade dos nossos rivais e quantos anos demoraram a vencer.

Estamos seguros deste rumo. Sabemos o que é preciso para tornar o Sporting num crónico candidato a ser campeão e não vamos vacilar. Não foi por ter vencido a Taça da Liga que alterámos um milímetro da estratégia. Mas também não alterámos na primeira derrota. É um ponto importante para funcionários, atletas, sócios, adeptos. Quando se tem um rumo bem definido não se treme, não se recua na primeira queda. Se mudarmos de rumo à primeira dificuldade, nunca vamos chegar a lado algum. Nunca. Se continuarmos a mudar, tudo, as pessoas, com histeria, pânico, este clube nunca mais sai desta espiral, deste ciclo vicioso de quase duas décadas que vai destruindo o nosso clube. A nossa missão, de todos estes senhores, é entregar aos sportinguistas um clube muito melhor do que o que recebemos.

Que todos estejamos cientes da dimensão da nossa missão enquanto sócios deste clube, que merece o melhor que cada sócio tem para dar. O futuro é Sporting, Sporting sempre."


Miguel Cal fala da marca Sporting

"O primeiro pilar tem a ver com os recursos humanos. O que encontrei? Pessoas muito comprometidas com o Sporting, mas quando olhamos para o investimento feito nestas pessoas, perderam benefícios e seguro de saúde, não têm orçamento para formação, não havia sistema de avaliações, análise de desempenho... Temos uma organização desajustada, não tínhamos diretor de marketing nem IT, o digital só tinha uma pessoa, muito aquém dos rivais.

A cobertura do estádio não teve manutenção em 13 meses. Víamos as televisões em caixote, zona Corporate desatualizada. Os sistemas desatualizados, o hardware fora de vida há anos, mesmo sistemas em relação ao merchandising, é feito em Excel, não há um sistema de stock. Não dão a ferramenta certa às pessoas. O que resulta? Que tenhamos vendido apenas 400 bilhetes na app no ano passado. Existe um grande amadorismo na gestão anterior, o dinheiro da loja verde era transportado em mochilas pelo senhor Orlando, chegava a levar 200 mil euros ao banco.

Quando os empregados tiveram a ideia de fazer uma experiência para os sócios visitarem a Academia, demoraram 18 meses. Portanto, nós queremos ser diferentes. Para ter sucesso é preciso trabalhar. Temos um programa para transformar a experiência de ser sócio do Sporting, plano de parcerias para dar vantagens. Vamos alargar a gama de merchandising. 

Os núcleos já conseguem gerir a bilheteira, vamos ajudá-los a melhorarem a sua imagem. Estamos em negociações para sermos a principal referência de alguns países na formação.

Não somos vendedores da banha da cobra. Falamos pouco mas temos uma visão clara. Para terem ideia, quando chegámos as receitas estavam 10% abaixo do ano anterior, hoje estão 3% acima. Com uma gestão diferente, potenciando o talento das pessoas que cá estavam. Tivemos a maior campanha de merchandising de sempre, a maior venda de gamebox de 2.ª volta, mais de 2 milhões em patrocínio até ao próximo ano. As 5 principais modalidades terão patrocínio na camisola.

Se conseguimos isto em 6 meses, imaginem a longo prazo com tempo e mais recursos. O Sporting dentro de um ou dois anos será completamente diferente".


Varandas e a formação

"Temos um gap anormal de internacionais entre os sub-18 e os sub-23. Lá batemos nos cinco anos. Dos 38 jogadores que chegaram para B, nenhum chegou à equipa A. A própria equipa B desceu de divisão. A pirâmide está invertida: temos mais miúdos na Academia do que no polo universitário. Temos planteis demasiado grandes.

O abandono da Academia foi também nas infraestruturas. O futebol profissional treina num relvado com 16 anos, a duração máxima de um relvado é de 10 anos. Quanto custa substituir? 200 mil euros. É ali que a equipa treina todos os dias, ouço o treinador a queixar-se todos os dias do relvado.

Os juniores treinavam num campo sintético com buracos. Os atletas da formação vivem em quartos com mobília com 16 anos, degradada, colchões com 16 anos. O ginásio está igual, as máquinas rasgadas, tudo igual desde 2002.

O Sporting vendeu num ano João Mário e Slimani, encaixou 70 milhões. Tinham esse dinheiro e deixaram a Academia assim. Nós estamos a expandir a Academia. Este Cpnselho Diretivo não acredita na sorte, acredita no trabalho, esforço, conhecimento e inteligência. Implementámos uma direção técnica na Academia, unidade de performance física coordenada por Francisco Tavares. Hoje um treinador tem toda a informação diária de todo o atleta, nunca se tinha feito isto. Novo relvado sintético concluído. Expansão é uma realidade, vamos construir mais quatro ou cinco campos. Nem Roma nem a Academia se constroem num dia. Estas medidas vão ter frutos a médio e longo prazo. Não se compra na formação, semeia-se e depois colhe-se. Estragar é muito rápido."

Varandas volta a falar

"Nas duas últimas épocas tivemos os maiores orçamentos da história e ganhámos uma Taça da Liga. Em cinco anos ficámos 3 vezes em terceiro. Em junho ficámos sem 5 titulares e a principal promessa da formação. A comissão de gestão recuperou dois jogadores que tinham rescindido. Herdámos um plantel desequilibrado, jogadores sem minutos, mas uma massa salarial pesada. Não é esta a visão que queremos. Queremos um plantel equilibrado, em que haja grandes figuras mas em que todos possam jogar e acrescentem qualidade.

É possível fazer com competência, trabalhando na formação e tendo critério nas aquisições. Foi o que fizemos no mercado de inverno. Entraram cinco jogadores, saíram oito e o Sporting reduziu a folha salarial em 10 milhões por ano. A qualidade do plantel aumentou, pois todos os que entraram têm capacidade para jogar. Só os jogadores que entraram nas últimas semanas já jogaram mais minutos do que sete dos que saíram.

Deixaram de existir jogadores anunciados nos jornais e depois terminavam noutros clubes. Nenhum destes senhores há de receber um cêntimo de comissão. Não teremos nenhuma contratação investigada no Ministério Público, como Alan Ruiz que foi anunciado por 3,9 milhões mas depois aparece por oito no Relatório e Contas. Não basta dizer que quero jogar com a base da formação, têm de jogar os melhores, aqueles miúdos têm de voltar a ser os melhores".


Zenha e o Mercado de janeiro

"Os planos de pagamentos são feitos de forma a que sejam interessantes para o Sporting. Fizemos uma redução da massa salarial, o que poupámos de salários em termos líquidos permite cobrir os salários dos jogadores que entraram mas também a transferência dos mesmos ao longo do prazo de pagamentos. Permitiu-nos preparar o próximo ano. São jogadores mais novos. Criação de valor. Acreditamos que as mexidas permitem criação de valor a nível desportivo e financeiro."

Direção anterior fez 'all in'


"O que foi pedido a esta direção foi que fizesse aquilo que devia ter sido feito numa série de anos. Nós fizemo-lo num ano. Uma herança difícil, o que se chama no póquer um 'all in', para ver se ganhavam o campeonato. O Sporting não é um jogo de póquer. É preciso perceber que apesar disso, temos a capacidade para conseguir resolver estes problemas. Temos um plano financeiro feito, é um plano que vai permitir e permite que o Sporting seja sustentável a longo prazo, ser eterno se cumprir. Felizmente o Sporting é muito grande. Queremos deixar esta mensagem de que são difíceis as condições. Os sócios podem confiar em nós, o caminho está trilhado. A seu tempo haverá mais novidades."

Salgado Zenha fala da situação financeira

"Quando tomámos posse encontrámos um clube numa situação de tesouraria difícil, pela necessidade premente de um revolving da emissão de empréstimo obrigacionista que tinha vencido em maio e foi estendido para novembro. Fizemo-lo numa conjuntura adversa, tivemos apenas um par de meses. Herdámos também uma dívida a fornecedores até junho de 2019 de mais de 40 milhões, a maior parte é com clubes e agentes. Herdámos o pagamento de metade do plantel do Sporting. Sou franco: a gestão que foi feita em 2018 foi completamente irresponsável. Em janeiro de 2018 o Sporting estava a antecipar receita futura para comprar um jogador e um par de meses depois não ter dinheiro para pagar salários e ter de recorrer à conta reserva para comprar VMOC."


Compra de jogadores

"Desde 2013 comprámos 108 jogadores. Sabem quantos jogaram mais de 1000 minutos na equipa principal? 68. Compraram-se 38 jogadores diretos para a equipa B, nenhum chegou à equipa A e a equipa desceu de divisão".

Sócios

"A 9 de setembro, o Sporting tinha 84 mil sócios pagantes, 39 mil não pagam quotas há mais de cinco anos. Há 51 mil que não pagam há mais de três anos. O objetivo é crescer, mas com verdade. Temos ambição de crescer 50% nos sócios pagantes."

Claques


"É legítimo criticarem a exibição da equipa? É. Mas também é legítimo eu criticar a claque. Não gostei da atitude nos dois últimos jogos em casa. Querem um grupo com maior talento da formação? Nós também. Mas sabem a principal razão de não termos um grupo assim? Eu lembro: 14 de maio de 2018. Hoje quando o clube se está a reerguer, voltámos a receber ameaças intimidatórias. Vejo exigências de quem... Elementos de claques a protestarem com sócios anónimos. 

Nos anos 90 fiz parte da Juventude Leonina. Havia excessos mas um amor puro pelo clube, um dar sem receber. Hoje não reconheço esse espírito. Vejo um negócio. Enquanto aqui estiver, o Sporting não será refém de ninguém."

Auditoria:

"Sociedade de advogados MGRA, empresa onde Alexandre Godinho trabalhava, à data vogal do Conselho Diretivo. Em 2018 contrataram o sogro de Bruno de Carvalho para associado. 1,7 milhões em três anos, gastámos menos com todas as empresas de advocacia nos últimos 16 anos. O Sporting gastou numa só empresa mais 50% do que com todas as outras em 16 anos. O nosso departamento jurídico não tem visibilidade sobre o trabalho que foi feito por eles. Segundo as faturas, o Sporting pagou 1,7 milhões por trabalhos como assuntos da presidência, agenda reunião Sporting, preparação de reunião, vários contactos com Bruno de Carvalho, ponto de situação, correspondência com o presidente, contactos com o presidente, aconselhamento ao presidente.

Xau Lda. Pagamento de 60 mil euros de brindes e ofertas e 20 mil por serviços de divulgação da marca Sporting na comunidade chinesa. O departamento de merchandising não conhece a empresa. A empresa fechou atividade após o pagamento.

Batuque FC, Cabo Verde. Contrato conferindo o direito de preferência do Sporting sobre 7 jogadores pré-identificados. Não existe qualquer relatório do clube ou de terceiros sobre jogadores daquele clube. Em janeiro de 2018 foi solicitada pela SAD ao departamento jurídico uma minuta de acordo de resolução daquele contrato. Não obstante esse pedido, o valor de 230 mil euros foi liquidado em maio de 2018 e nunca foi restituído.

Claques: tinham direito a 865 bilhetes grátis e podiam comprar 1000 ao preço mais barato. Recebem 50% da quotização dos sócios inscritos nas claques. Desde 2013, a dívida passou de 115 mil euros para 746 mil, sendo quase tudo da Juve Leo."


"Vamos dar os primeiros dados da auditoria, o relatório final ainda não nos foi entregue. A seguir a situação financeira, estratégia do futebol profissional e da marca Sporting".

--------------------------------------------------

Frederico Varandas, presidente do Sporting, vai esta sexta-feira explicar a situação do clube leonino, fazendo um balanço do trabalho efetuado desde a sua chegada a Alvalade. Acompanhe a conferência de imprensa a partir das 18 horas em direto aqui, no Record.
Por Luís Miroto Simões
Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Sporting

Notícias

Notícias Mais Vistas