Futebol, claques ou modalidades: Tudo que foi dito no debate entre Varandas e Benedito

Candidatos esgrimiram argumentos na Sporting TV

No pontapé de saída de uma série de debates 'mano a mano' entre os candidatos à presidência do Sporting, Frederico Varandas (lista D) e João Benedito (lista A) esgrimiram argumentos durante cerca de uma hora na Sporting TV, num frente a frente no qual os temas em destaque foram o futebol, as modalidades e também o papel das claques.

21h00 - Final do debate!

Finanças

Frederico Varandas: "Tenho uma empresa, pago salários. Sou médico, diretor clínico... Recordo que o departamento clínico do Sporting comigo passou de 18 para 50 pessoas. E é uma função que tem muito a ver com gestão de pessoas, coisa que faço desde os 25 anos.

Na minha equipa vamos ter pessoas altamente competentes e eficazes. Temos o Miguel Cal..."

João Benedito questiona sobre a opinião sobre claques - "vão acabar?"

"As claques sempre existiram, eu fiz parte delas. E vão continur a existir. Existem para fazer bem ao Sporting. O Sporting nunca mais será refém de um presidente e das claques. Aquele documento do Miguel Cal tinha a suas ideias. Nunca mais vai existir a promiscuidade entre a direção do Sporting e das claques. Dos 12 aos 18 fiz parte e sei a importância dos jogos"

João Benedito 'confirma' - "Estive lá dentro e também sei que nos ajudam, que nos vão buscar lá abaixo".

"Continuando... O Miguel Cal vai desenvolver a marca do Sporting, tal como o Atlético Madrid fez. Temos uma equipa super competente, para ganhar no futebol e continuar a vencer nas modalidades."

João Benedito e o CEO
: "As áreas não desportivas têm de estar alocadas ao clube. Estas pessoas têm de ser integradas no clube. As pessoas ligadas ao clube. Esta pessoa será comandada por aquilo que é o nosso conselho diretivo. Vamos ter uma pessoa que estará a tornar a nossa estratégia exequível. É uma pessoa que vem para o Sporting numa função executiva. É o melhor em Portugal a fazer este tipo de função, é um especialista em funding. Podia trazer alguém e no dia 9 dizer que era outra. Cumpro os meus princípios. Terá uma visão integral das áreas não desportivas."

João Benedito
: "Temos receitas das vendas, só se fazem estes negócios assim porque se precisava de dinheiro. Temos em cima as VMOC's e o empréstimo obrigacionista. Temos clubes rivais com 155 milhões de empréstimos e como tal não vamos ter problemas de aumentar dos 30 para os 60 milhões. Temos de identificar as receitas. Estamos numa altura forte. Entrada das gameboxes... Temos tesouraria para fazer frente. Tentaremos fazer o melhor negócio para a autonomia do Sporting. Estamos todos de acordo no que são as políticas financeiras para o clube. Pegando nestes valores, temos de ir ao mercado fazer empréstimos obrigacionistas. Outras soluções passam pela criação de ações tipo C, por aí. As soluções estão identificadas"

Frederico Varandas: "Fala-se muito de passivo, mas quero falar de receita. A principal receita da empresa SPorting é o futebol. Temos de ganhar aos nossos rivais. De 2013 a 2017 faturámos 410 milhões de euros. O Benfica faturou 800 e o FC Porto 975 milhões de euros. É difícil. De onde vem? Das competições europeias. Temos de ser mais competentes no futebol. Andar lá em cima, primeiro e segundo lugar. O lugar do Sporting é primeiro! Eu preocupo-me com isto. Temos de ser competentes".

Modalidades

João Benedito
: "Ouvir falar de modalidades auto sustentadas... As modalidades transmitem valor ao clube. Temos de identificar a política desportiva para as modalidades. Se formos a ver aquilo que nos propomos e almejamos chegar, há uma diferença enorme. Temos de ver se queremos ser campeões nacionais ou se europeus. Temos de ter uma otimização. A formação tem de existir, tem de haver um diretor técnico, para ter um maior aproveitamos. No hóquei temos 13 jogadores, que todos podem jogar. Não tiramos aproveitamento... Os treinadores fazem escolhas, para ter muito para aproveitar, mas têm de ser potenciadas as capacidades da formação.

Também temos treinadores de excelência. A aposta vincada nas modalidades é algo que vamos manter. Com a minha quero abrir o palácio das modalidades mais vezes. O fluxo de pessoas é muito menor. O Pavilhão João Rocha tem de estar aberto, para os miúdos ver e sonharem jogar lá. Insurgi-me tantas vezes quando o nosso autocarro estava a caminho de Lisboa e o Sporting jogava no futebol sénior. Quando ganhámos a Taça com dois golos do Tiuí, tivemos uma discussão, porque disse que devíamos estar parados a ver o jogo. Os funcionários e jogadores têm de estar envolvidos no Sporting, a viver o futebol"

Frederico Varandas
: "Nove milhões de quotas, 5,5 do estádio, 1,2 dos milhões da TV, mais 1,5 de publicidade e 1,5 de inscrições. É um valor bom, que vamos continuar a investir. Queremos capitalizar, melhor. Temos de criar modalidades que não funcionem a 100% no dia em que o futebol está de folga. Vamos criar modalidades profissionais. Vamos ter o Miguel Albuquerque a liderar. Temos de crescer.

"O Pavilhão João Rocha tem mil lugares de média, num reduto para três mil. Temos de utilizar merchandising das modalidades. Andamos na Champions de andebol e não temos um patrocínio. Temos de coordenar os jogos. Temos de criar a dinâmica. Temos o melhor pavilhão, temos de criar as melhores condições"

Formação


Frederico Varandas: "É justo de falar no Aurélio Pereira. Vai continuar no ponto de vista estratégico a ajudar-me no recrutamento.

Teremos uma unidade de performance, que tem sido a menina dos meus olhos. Consegui trazer a pessoa mais capaz, com reais valências, o Dr. João Pedro Araújo. Vamos trazer um coordenador que está ligado ao râguebi, internacional em Inglaterra. Vamos fazer uma unidade de performance ao nível dos melhores do Mundo".

João Benedito: "Foi doloroso ver que os primeiros a sair foram os nossos atletas. Temos de encontrar referências para cativar os juniores, para querermos seguir. Têm de perceber que existe cultura Sporting ali, que se deve estar de uma forma com regras. Há formas de o passar. Há medidas que parecem simples, mas que têm de ser passadas. Há que criar um manual do atleta. Têm de ser sócios, ir aos escalões de formação, para passar a cultura. Na formação passa-se cultura para os atletas, mas também para os pais. Se os tratarmos bem, se os envolvermos, que façam parte, vão mais facilmente parte da cultura. O exemplo tem de vir de cima, os pais têm de ver referências.

O Sporting teve duas vantagens: o Sr. Aurélio, que bastava sentar-se à mesa para o negócio estar feito. Depois a Academia. Há coisas a ser bem feitas, temos de as potenciar. Mas essa passagem de cultura começa na criação dos manuais, que não podem hostilizar símbolos do Sporting. Se for de tristeza, estará alguém mais triste na bancada. Vi nas modalidades, quando tínhamos menos dinheiro. Apanhei muitas vezes a transição... Temos um treinador, com todo respeito pelo Jorge Jesus, que quando o pai não vê uma possibilidade de subida, faz com que vá para outros locais. É importante recrutar bem, ter essa semente...

Agora temos um jovem na equipa A. Treinou, mas não jogou. Fico contente de ver esta aposta. O critério tem de ser a qualidade"

Frederico Varandas: "Primeiro há que conhecer muito bem. Vejo candidatos a criticar a formação... Temos de perceber qual é o problema. É uma área cara para mim, pois já lá trabalhei. Hoje em dia ao nível da formação temos de atuar em quatro pilares: valores, regras e disciplina; área técnica; área de recrutamento; instalações.

Um miúdo no Sporting ensina-se a gostar, não se impõe gostar de Sporting. Têm de acabar as medidas que aconteceram, de retirar bilhetes a miúdos do Polo Universário... Alguém fica ligado ao Sporting sem ver a equipa principal jogar? Têm de ver e sentir o estádio cheio. É muito importante isso, para criar ligação. Os miúdos do Polo Universitário têm de ver os jogos. A meio da semana há treinos... É impensável quando há jogos da equipa principal  a acontecer
Voltar a ter horários de balneário, acordar. Têm de limpar o balneário, carregar e limpar coisas. Não cai a dignidade a ninguém se o fizer. Não podemos ter um juvenil com contrato profissional a faltar metade dos treinos. Este jogador vai ser craque? Nunca vai ser...

A Academia tem três coordenadores técnicos, é impensável! Tem de haver só um coordenador técnico.

Sporting voltar a ter a rede de recrutamento mais eficaz, dos seis aos oito anos de idade. Nas cidades com maior crescimento, em Braga, Setúbal. Temos de ter uma rede de transportes. Os nossos rivais têm isso. Se não dermos transporte, os pais não têm possibilidades... e eles vão para os rivais.

O Polo Universário está sobrelotado. Temos de tirar petizes e traquinas B para a relva sintética do Pavilhão João Rocha, para dar mais qualidade ao Polo Universitário."

Scouting e capitão

João Benedito: "Indo ao scouting, recentemos vimos um scout de um rival a dizer que o departamento era formado por cinco ou seis pessoas. É preciso os nossos estarem nos jogos, importante estarem nos jogos. Esses relatórios têm de ser respondidos logo, porque estamos num mercado global e num ápice um jogador é observado por vários clubes. Tem de haver um reforço em certos momentos. É fundamental que saibam onde chegam.

"Tive a minha vida toda a lutar por títulos. Sabe o que é esta pressão? De conseguir perceber que numa Supertaça, vermos que há atletas que estão de fora que temos de aguentar e ir falar, dar uma palavra para a bancada amuados... Já tive muita gente no balneário que não tinha braçadeira... Mas a nossa estrutura de contacto, têm de saber que há uma unidade  a quem reportar. Vejam os casos de Kompany no Manchester City, Diego Godín no Atlético Madrid, Cristiano Ronaldo na Seleção. São estes focos, que não sabemos que são os subcapitães. A braçadeira não pode passar de braço em braço... Tem de ser a pessoa a quem passamos a ideologia do clube. No ano passado, ora era o Rui, ora era o William... Temos balneários em que há jogadores que entram mudos e saem calados. As pessoas têm de perceber que há uma liderança. Têm de saber a quem falar. Esta figura dos capitães, há histórias maravilhosas. A figura do capitão é quem motiva e potencia quem está abaixo."

"Quando é que o Sporting vai ganhar o título de campeão nacional de futebol?", é a primeira pergunta deste debate.

João Benedito: "Espero que seja já nesta época. Que todos possam dar os seus objetivos às pessoas que estão a comandar os destinos. Passará por uma mudança de mentalidades da cultura desportiva desta equipa repleta de filhos do Sporting. Estes títulos têm estado afastados do futebol. Queremos passar para dentro esta cultura de Sporting. Modelo de futebol que visa três áreas: Sporting Performance, liderada por Pedro Mata, uma pessoa de méritos reconhecidos, que virá para coordenar este projetos; área clínica, que deixará de estar alocada ao médico da equipa principal; área estrutural, a visar as métricas financeiras. Depois na parte da formação, definir o diretor. No futebol profissional queremos quebrar o modelo que vem sendo feito. Com o presidente próximo de tudo... Queremos contratar um diretor desportivo que faça essa interligação entre a direção com o treinador. E também que esteja próximo do diretor da formação, para haver aproveitamento do nosso ADN, que é a formação. E também mantendo a ideologia do capitão"
"Queremos uma pessoa ligada ao dia a dia dos atletas, ligados à família destes. Um atleta não é só o que mostra para fora, pois por trás daquela camisola está uma pessoa. No final de um jogo serem servidas pizzas aos jogadores? Isto comigo nunca mais acontecerá. À imagem do que é o Sporting e dos seus atletas, construir uma base."

Frederico Varandas: "O João é um dos que melhor conheço, foi um grande atleta da história e ficará para sempre.

Prometer título é o mais fácil e é o que normalmente todos fazem. E nunca vi candidatos não prometerem. O que posso prometer é o conhecimento de onze anos a viver diariamente o futebol. Esses quatro mil dias criaram-me os conhecimentos e valências que um diretor desportivo, um treinador, secretários, etc. devem ter. Esse conhecimento vem de ter sido profissional.

Como é que idealizo o Sporting... Eu presidente da SAD a assumir o futebol. Não é assinar de cruz o que o treinador decide.

Team manager - vai ser um homem que dará opinião, com cultura de Sporting, formado no Sporting. Vai criar condições para que o treinador seja apenas treinador, se preocupe apenas com os jogos e treinos. Feito para agilizar a máquina. Isso é um dos problemas graves que vivi no Sporting, com o treinador a preocupar-se com outras coisas, como casos de disciplina. Um jogador chega atrasado... E não é o treinador que se tem de preocupar, mas sim o team manager. É o primeiro a resolver tudo. Tem de ser pessoa com perfil e garra, para colocar o jogador no sítio.

Abaixo do team manager, estarão dois secretários técnicos, para agilizar toda a logística.

Departamento de scouting terá de levar uma revolução. Aqui o Sporting perde muito para os rivais. Temos formado jogadores, mas não tem sido campeão. Nos últimos dez anos fizemos mais-valia em um, dois ou três jogadores... Olhamos para os nosso rivais e dizemos 15 nomes e isto faz diferenças. Temos de ser mais agressivos. Os scouts não podem contactar com empresários. Isso é impensável. Quem contacta é a direção! Temos de ter uma rede profissional, distribuída pelos mercados com maior preponderância. É um investimento, não um custo. O preço do jogador disparou, o jogador que vem de fora vem ganhar dois milhões brutos. Temos de ser competentes. Não pode ser o treinador responsável pelas contratações. O treinador pode dizer o que precisa

Treinador tem de ter perfil, com experiência. Está resolvido, já está escolhido. Quem vai escolher os jogadores é o treinador, que vai dizer ao scouting o que pretende. Mas quem decide sou eu, se são indisciplinados, se ganharam peso, etc.

Abaixo do treinador estão os capitães. Por uma razão, os capitães têm de ser formados, não pode ser só o critério de ter mais anos. Há jogadores que estão há muitos anos e não têm perfil. O capitão nasce e tem de ser formado. O capitão para mim tem e jogar. Mas pode magoar-se, por isso há que ter dois subcapitães. Temos de escolher um jogador para juntar e ter o grupo na mão. É para comunicar de baixo para cima, mas também de cima para baixo, tendo reuniões comigo. Um capitão tem de ter força e responsabilidade, para ter o balneário na mão."

20h00 - Arranca o debate. João Benedito será o primeiro a falar.

- Arranca esta segunda-feira, com um debate entre Frederico Varandas e João Benedito, uma série de frente a frentes entre os candidatos à presidência do Sporting realizados pelo canal do clube leonino. Este primeiro 'confronto' mano a mano surge um dia depois do primeiro debate realizado entre todos, onde para os utilizadores do site de Record, através de inquérito, consideraram que o grande vencedor foi precisamente o ex-futsalista.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Sporting

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0