Preparador físico do Sporting: «Tenho pesadelos e acordo como se estivesse na guerra do Iraque»

Mário Monteiro diz-se "traumatizado" após ataques na Academia e vai abandonar o futebol

O preparador físico do Sporting relatou, em entrevista ao 'Jornal de Notícias', os momentos de "terror" que ele e o plantel leonino viveram no ataque à Academia, na passada semana. Mário Monteiro diz-se "de rastos e aterrorizados" e sublinhou que "não tem condições psicológicas" para voltar a Alcochete, adiantando que vai deixar o futebol.

"Tenho muita dificuldade em adormecer e, no meio dos pesadelos, acordo como se estivesse na guerra do Iraque. Vou voltar à escola onde estou colocado como professor de Educação Física, em Vila Nova de Famalicão", começou por dizer Mário Monteiro, descrevendo depois ao pormenor as agressões de que foi alvo: "Foi absolutamente traumatizante. De repente entram pessoas na Academia a gritar, a lançar tochas e a agredir. Penso que fui um alvo acidental dos agressores. Fui atacado nos pulsos e no tronco com uma tocha a arder a 240 graus centígrados. Estou há 25 anos no futebol profissional e nunca, mas nunca, pensei viver o que vivi."

O preparador físico leonino confessa ainda espanto por aquele grupo de cerca de 50 hooligans ter conseguido entrar nas instalações quando "na Academia só se entra com autorização" e manifestou outro receio: "As câmaras de segurança filmaram 38 pessoas a entrar. Estão 23 em prisão preventiva. Portanto, há 15 indivíduos que estão soltos e que podem ser um perigo para a equipa técnica e plantel."

Deixe o seu comentário
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Sporting

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0