Será este o episódio mais negro de sempre no clube? 12 sportinguistas dão a sua opinião

De ex-candidatos a antigos dirigentes e futebolistas

• Foto: Miguel Barreira

No âmbito do caos vivido esta terça-feira em Alcochete, Record colocou a 12 notáveis do Sporting a seguinte questão: Enquanto sportinguista, considera que o que aconteceu é a página mais negra da história do clube? Estas foram as respostas.

Dias Ferreira (antigo dirigente) - "Ao ponto que isto chegou"
"Se este não é o pior dia de toda a história do Sporting, é um dos piores. O que levou a isto? Basta perceber o que se tem passado nos últimos dias, ou nos últimos meses, para se ver onde é que isto está e ao ponto a que isto chegou. Quanto ao risco de rescisões dos jogadores, espero que isso não aconteça. Que impere o bom senso e a calma. Mas de toda a gente. E cada um, com esse bom senso, que tome a atitude que acha que deve tomar. Taça? A final é no domingo, hoje [ontem] ainda é terça-feira. Não sei o que se passa daqui a 10 minutos, quanto mais amanhã."

Rui Calafate (adepto e consultor) - "Reputação está na lama"
"Para o sócio 5.694 do Sporting, que sou eu, este é sem dúvida alguma o dia mais negro da história do clube. Estou indignado e tenho vergonha. Neste momento, a reputação do Sporting está, no país e no Mundo - porque estas imagens vão correr o Mundo -, na lama. O Sporting é o clube com mais classe do Mundo. Por isso, no dia em que o Sporting for um clube de bandidos e chungaria, então sou eu que estou a mais. Solução? Quando estamos no abismo, é muito difícil encontrarmos uma solução. No fundo do abismo é muito difícil ver a luz."

Aguiar de Matos (antigo dirigente) - "Bruno de Carvalho incendiou isto tudo"
"Bruno de Carvalho incendiou isto tudo, não tem condições para continuar à frente do clube. Isto é uma consequência do atear de uma fogueira que estava latente. Não há memória de ter ocorrido na história do Sporting uma situação destas. É gravíssimo, por vários motivos. Como é que a segurança permite a entrada de 50 pessoas? Não há um alarme para avisar as pessoas de que qualquer coisa está a correr mal? Foi uma onda que entrou por ali dentro. Alguma coisa não estaria bem para permitir isso. É uma situação altamente deprimente."

Pedro Madeira Rodrigues (ex-candidato) - "Pessoas sem coragem"
"Sinto uma grande revolta com tudo o que apareceu hoje, o dia mais negro da história do Sporting. Um clube maravilhoso que atravessa uma crise inacreditável e que podia ter sido evitável. Chegámos a isto por causa de um conjunto de situações que se sucederam e pessoas que não tiveram coragem na hora devida. O presidente da Mesa da Assembleia Geral podia ter evitado, alertou para isto há um mês e depois não teve coragem de avançar. Os culpados foram as pessoas que fizeram aquilo. Entraram num sítio que devia estar em segurança."

José Pina (adepto e comentandor) - "É o dia mais negro"  
"Este é o dia mais negro do Sporting. Uma vergonha imensa. Eu que procuro transmitir determinados valores aos meus filhos, consórcios, não sei como explicar isto. Estou a tentar arranjar uma explicação. Isto não é o Sporting. É preciso perceber como se chegou a este ponto, mas estou em choque. É quase um filme de terror. Estou com os meus filhos e não sei o que lhes dizer. Tento transmitir a cultura do Sporting e não é isto. Uma coisa é trazer a garra de volta, mas isto é inadmissível. Têm de ser expulsos do Sporting e perceber de onde isto nasceu."

Rui Barreiro (adepto) - "Retirar consequências" 
"Acho lamentável. É inadmissível, num clube profissional, numa SAD cotada em bolsa, que não se garanta o essencial, o bem-estar dos seus trabalhadores. O Sporting nunca desceu tão baixo. Estamos a falar de violência sobre jogadores e treinadores. Já há algum tempo que aviso que a situação é de crescente apelo à violência. Quando os principais dirigentes não se comportam de acordo com as regras básicas de boa educação é natural que venham a acontecer episódios menos dignos. Qualquer responsável retiraria as consequências devidas."

Daniel Oliveira (adepto) - "Pensar numa alternativa" 
"Não aceito que Bruno de Carvalho salte do papel de presidente para o de adepto sempre que as coisas correm mal. Não fui eu que renovei contrato com Jorge Jesus com uma cláusula de rescisão de sete milhões. Não aceito que, num momento de indignação dos adeptos, se comporte como um incendiário. Cabe aos sócios que não acham que fazer-se de maluco seja uma boa estratégia para dirigir um clube pensar numa alternativa credível. Bruno de Carvalho fez muito pelo Sporting. A partir deste momento é evidente que só o destruirá."

Pedro Gomes (antigo jogador) - "Isto é incompreensível" 
"Tudo isto que se passou é absolutamente lamentável. Não consigo perceber como existem pessoas dentro das claques que façam isso. A violência não interessa a ninguém e muito menos contra os jogadores, os homens responsáveis pelo espetáculo. É preciso que se retirem consequências do que aconteceu. Já foram alguns detidos, que sejam excluídos de sócios. Não merecem ter lugar num desporto deste nível. É incompreensível isto num país europeu. Tem de haver consequências, devem ser punidos e muito bem punidos."

Bessone Basto (antigo atleta) - "Nem quero acreditar"
"Nem quero acreditar que isto tenha acontecido. Vou aguardar pelas investigações. Estou triste. Andei ali uma série de anos, conheço bem a casa. Isto nunca tinha acontecido, é gravíssimo. A falta de segurança, infelizmente, existe por todo o lado. Como isto tem andado, com toda a gente a falar e a bombardear, estava até à espera que tivessem acontecido coisas piores. O poder político é o grande culpado, deixaram que chegasse a este ponto. E o IPDJ também é culpado. Se tivessem esvaziado certas coisas, isto não aconteceria."

Carlos Severino (ex-candidato) - "Situação orquestrada"
"Estava no Sporting quando foi feita a Academia. Nunca me passou pela cabeça que aquele sítio, considerado um templo, pudesse passar por uma situação tão grave. É um ambiente de guerra civil, adeptos contra jogadores. Toda a gente percebeu que após as intervenções de Bruno de Carvalho isto ia dar num caos. Foi uma situação nitidamente orquestrada, não sei por quem, para lançar este clima de terror. Pode dar azo a grandes prejuízos para o clube. É tudo provocado pela comunicação do presidente, que assenta a sua ação na teoria do caos."

Isabel Trigo Mira (antiga dirigente) - "Estou destroçada"
"É a página mais negra da história do Sporting. Que eu saiba, nunca houve, nem eu nunca vi, nenhuma tão negra e triste como esta. A situação que se viveu hoje [ontem] na Academia do Sporting, em Alcochete, é completamente impensável. Realmente, o Sporting bateu no fundo hoje [ontem]. Por isso, estou naturalmente muito preocupada com o futuro. do clube e, para além disso, estou destroçada com o que está a acontecer neste momento no Sporting. Fundamentalmente, foi a pagina mais negra que eu nunca pensei ver na minha vida."

Fernando Mendes (ex-jogador) - "Meta lugar à disposição"
"De ver o Bas Dost a chorar, eu fiquei com vontade de chorar. Fico triste, não há palavras para exprimir o que sinto neste momento. Não há nada que possa justificar uma coisa destas. Tenho 50 anos, não me recordo de ter visto isto em lado algum do Mundo. É uma imagem péssima para um país campeão da Europa, com grandes clubes nas competições europeias. É uma vergonha. Chega, basta disto. Não há condições. Fui um defensor acérrimo de Bruno de Carvalho, mas já chega. Está na altura de o presidente meter o lugar à disposição."

Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Sporting

Leões querem desforra

Bruno Fernandes e Gudelj dão voz ao foco do plantel no Jamor e à vontade em responder à derrota sofrida no Dragão

Notícias

Notícias Mais Vistas