Pepa apresentado: «Quis muito o Vitória»

Novo treinador dos vitorianos falou em conferência de imprensa no Estádio D. Afonso Henriques

Pepa foi apresentado esta sexta-feira, ao início da tarde, como novo treinador do V. Guimarães. Acompanhado do presidente Miguel Pinto Lisboa, do diretor-geral Jaime Teixeira, de elementos da estrutura, staff e funcionários do clube, bem como dos seus adjuntos, o técnico, de 40 anos, falou pela primeira vez como novo timoneiro vimaranense, ele que assinou contrato até junho de 2024.

Leia tudo o que disse o ex-treinador do P. Ferreira no Estádio D. Afonso Henriques, quer no seu discurso inicial, quer nas respostas às perguntas dos jornalistas presentes. 

Discurso inicial

"Queria agradecer as palavras do presidente e retribuir. Não tenho folhas, tenho o coração a falar. Mais do que um sonho era um objetivo, algo que ambicionava há muito tempo. Estamos todos para o mesmo caminho. Mais do que um passo que sinto que estou a dar, o Vitória não é só enorme, é diferente. É especial. De fora é fácil sentir esta ambição enorme. O que vai acontecer aqui nos próximos anos tem de ser sustentado com trabalho, paixão e humildade. Vamos passar por momentos difíceis, mas vamos ter momentos muito bons. Nos difíceis temos de estar todos juntos."

Preparado para um clube exigente?

"A minha exigência para a minha equipa técnica é tremenda, a minha exigência para todos os departamentos é grande. A exigência que tenho para mim é aquela que quero colocar aos jogadores. A exigência do clube é natural, temos de olhar para isso com alegria. O nosso hino é contagiante. O que diz o hino é o que digo há muito tempo, ter uma sede de vencer terrível. Este casamento é perfeito. O presidente disse que quis muito o Pepa, mas tenho de dizer que eu quis muito o Vitória. Os adeptos vão ter muito orgulho naquilo que vão ver."

O que será capaz de trazer de novo ao Vitória?

"Mais do que estar a assumir qualquer tipo de classificação há uma coisa inegociável que temos: um Vitória a entrar em campo, seja contra quem for, para ganhar. Temos de estar todos para o mesmo. Há uma coisa que prometo, uma equipa que todos os vitorianos vão ter orgulho dela. Não é por minha causa. Temos o desafio de jogar o dobro ou o triplo com apoio de todos para colocar o Vitória onde merece estar, porque é a essência deste clube. Estou ansioso por começar. Estive na Academia e fiquei impressionado com o que vi."

Já fez a radiografia ao plantel. O que precisa para ter uma equipa à sua imagem?

"O plantel tem qualidade. Esse trabalho vai ser de forma competente e exaustiva. Há qualidade no plantel principal e em todos os escalões que estão abaixo. O Vitória é um clube de referência. Todos os seus recursos têm de ser aproveitados."

Há um objetivo concreto para a próxima época depois do 7.º lugar?

"É uma nova era, uma nova fase, o que está para trás ficou para trás. O momento é outro. O Vitória tem de olhar com naturalidade para os primeiros lugares, tem de ambicionar títulos. Mas isso é um processo. Sinto-me avaliado todos os dias. Se todos dermos o nosso melhor, vamos atingir objetivos tremendos."

Quando defrontou o Vitória com que imagem ficou do clube?

Acima de tudo, é um clube especial. Há uma parede (na bancada) que parece que puxa a bola para dentro da baliza. Todos juntos vamos tornar isso num inferno para quem aqui vem, têm de passar mal aqui, mas dentro das quatro linhas. É algo que queremos incutir com naturalidade. O que estou a exigir não é nada de novo. Este clube é isto, este ADN, esta essência. Vai ter de acontecer tudo com muita naturalidade.

Este é o maior desafio da sua carreira?

"É o que eu queria. Se pudesse escolher, era este desafio que queria. Temos de começar a trabalhar rapidamente. Vamos jogar de olhos fechados, estou ansioso por começar a trabalhar. Precisamos de descansar um pouco, mas é descansar a trabalhar. O desejo para começar a trabalhar com os jogadores, para crescermos todos juntos é grande. Temos de olhar para o futuro com a paixão e emoção que este clube merece. É um casamento perfeito, a fome com a vontade de comer."

Um contrato de três anos pressupõe um projeto a longo prazo?

"Acima de tudo, é um sinal de grande confiança por parte do presidente e do Vitória. Depois, assenta no que falamos e queremos potenciar. Não pode ser de boca, queremos olhar para as equipas B, sub-23 e juniores e dar-lhes a oportunidade. Claro que não dá para todos, só melhores vão sobreviver, os que conseguirem jogar neste estádio vão ter tempo para crescer. Estou muito ansioso para trabalhar com eles, para os espremer ao máximo. Não pode haver pressão. Ter um estádio cheio tem de ser visto com tranquilidade. Temos de preparar essa nata para o futuro."

Por Bruno Freitas
2
Deixe o seu comentário
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de V. Guimarães

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.