«Não temos a mesma maneira de ver o clube»

Conselho Fiscal e Disciplinar assume incompatibilidade com direção do V. Setúbal

• Foto: Rui Minderico

Paulo Mateus, presidente do Conselho Fiscal e Disciplinar (CFD) do V. Setúbal, afirma que o órgão social que lidera e a direção, presidida por Vítor Hugo Valente, têm "maneiras diferentes de ver o clube", razão pela qual "nunca estiveram unidos". As considerações são feitas por Paulo Mateus a Record que responde a Vítor Hugo Valente que afirmou ao nosso jornal que "há quem tenha como propósito dividir o clube".

O líder do CFD, que tinha na assembleia geral de quarta-feira dado um parecer "completamente desfavorável à aprovação" do relatório e contas de 2018 [foi aprovado com 34 votos a favor, 32 contra e 41 abstenções] e acusado a gestão administrativa de ser "amadora", explica num documento enviado ao nosso jornal as razões pelas quais não está a promover qualquer divisão.

"Não é possível o presidente da direção dizer que estamos para dividir, se nunca estivemos unidos. Não temos a mesma maneira de ver o clube, a sua organização e os seus métodos de trabalho são mesmo amadores, pois ainda não provou o contrário. Como pode dizer que está tudo correto com um parecer do Conselho Fiscal onde tecnicamente explica tudo o que está incorreto, e que praticamente é tudo", refere.

No mesmo documento, o dirigente coloca em causa os números apresentados – as contas apresentadas registaram uma redução do passivo do clube em 282,81 mil euros, para um total de 16,62 milhões de euros –, referindo não ter sido possível validá-los, algo que já tinha denunciado no parecer emitido juntamente com o relatório e contas. "Não foi de todo possível validar porque a direção de não permitir que o CFD efetuasse o seu trabalho, pois a colaboração da direção foi inexistente, para não dizer nula, em praticamente todos os aspetos".

Por último, o documento assinado por Paulo Mateus, líder com CFD, coloca em causa a votação do relatório, que, após um empate (30 votos favoráveis e 30 desfavoráveis), foi aprovado numa segunda votação com uma diferença de dois votos. "A votação deixa muito a desejar pela mesa da assembleia geral [presidida por Cardoso Ferreira] e não acredito na votação", diz, revelando que em e-mail escrito na segunda-feira (21 de outubro de 2019) solicitou à mesa da AG, sem que tal tenha sido acautelado, que se providenciassem medidas para salvaguardar a transparência do processo.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de V. Setúbal

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.