Prémios dignos de 'sorte grande'

Verbas a distribuir por cada fase aumentaram e podem significar encaixes importantes

• Foto: Fernando Ferreira
PUB

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) voltou a aumentar os valores que os clubes recebem a cada eliminatória, o que pode ser um autêntico ‘balão de oxigénio’ para os emblemas dos escalões mais baixos do futebol nacional que participam na prova.

O prémio de presença na 1ª eliminatória é de 3.000 euros e o da 2ª eliminatória, cujo sorteio decorreu ontem, na Cidade do Futebol, cifra-se nos 4.000 euros. Ou seja, existem clubes que já amealharam 7.000 euros. É o caso dos 22 repescados entre os 56 derrotados na primeira fase da prova, mas a quem agora saiu a ‘sorte grande’, com mais um encaixe financeiro bastante significativo para as realidades de alguns dos clubes presentes, apesar de terem perdido. Ao todo, são 78 as equipas que já garantiram a totalidade das verbas referentes às duas eliminatórias, exceção feita aos clubes de 2ª Liga, que apenas entraram em prova no sorteio da 2ª eliminatória.

Outro dado curioso é o do aumento do número de equipas repescadas entre as duas fases, que subiu pelo quarto ano consecutivo. Na época de 2015/16, foram 14 as equipas repescadas. Na época seguinte, a FPF aumentou esse número para 15, e em 2017/18, já foram 17. Nesta época, verifica-se a tendência para aumentar o número de vagas para ‘segundas oportunidades’, com 22 equipas a usufruírem desse estatuto.

A Taça de Portugal pode então ser um autêntico ‘salva-vidas’ financeiro para os clubes de menor dimensão, mesmo que percam no primeiro jogo, depositando esperanças num eventual sorteio favorável no que toca às equipas repescadas, que têm a condição obrigatória de jogar na qualidade de visitante, em caso de embate com um adversário do mesmo escalão ou inferior.

A 2ª eliminatória arranca a 30 deste mês, sendo que na próxima fase já vão ser integrados os clubes da Liga NOS.

Por João Carlos Ferreira
Deixe o seu comentário
PUB