Record

Covilhã homenageia vencedores dos Jogos Special Olympics

Portugal foi representado na competição destinada a pessoas com deficiência intelectual pela APPACDM

• Foto: Vítor Chi
A seleção portuguesa masculina de futsal, vencedora da medalha de ouro nos Jogos Special Olympics, realizados em Andorra e na Catalunha, foi esta sexta-feira recebida na Câmara Municipal da Covilhã, que pretendeu dessa forma reconhecer a importância da integração.

Portugal foi representado na modalidade, nos jogos destinados a pessoas com deficiência intelectual, pela Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) da Covilhã, que participou com oito atletas.

A formação composta por Simão Martins, Gonçalo Maria, Nuno Pereira, Paulo Cáceres, Samuel Nunes, Steve Sá, José Dias e Ricardo Torrão venceu todas as partidas disputadas na competição.

Simão Martins tem já garantida a convocatória para os Jogos Mundiais Special Olympics do próximo ano, no Dubai, enquanto Paulo Cáceres estará presente na natação.

A comitiva lusa, que disputou a prova entre 04 e 07 de outubro, subiu também ao lugar mais alto do pódio na outra disciplina em que competiu, a petanca, com uma equipa da Cooperativa Vários, de Tondela.

"É a vontade de eles se transcenderem que queremos aqui reconhecer", disse Vítor Pereira, presidente da autarquia, durante a cerimónia no Salão Nobre, na qual agraciou o treinador, a enfermeira que acompanhou o grupo e os oito atletas com uma medalha do município, gesto que deixou alguns elementos da comitiva emocionados.

António Marques, presidente da APPACDM da Covilhã, instituição organizadora da última edição dos Jogos de Portugal Special Olympics, salienta a aposta no desporto para o desenvolvimento integral dos utentes e considera ser um vetor "essencial" no trabalho feito.

"Queremos criar condições para estes jovens se superarem. Temos como objetivo, através da atividade desportiva, tornar a sua vivência mais alegre, a sua autoestima mais elevada, criar condições para que eles se sintam vitoriosos", realça António Marques.

João Neto, o treinador, acentua não ser a vertente competitiva o mais importante, dada a relevância destas experiências para os atletas com deficiência intelectual desenvolverem diferentes áreas da sua personalidade, embora realce valorizar os resultados.

O técnico vincou que, embora não tenham sido os Jogos Europeus, a prova disputada em Andorra e em La Su d'Urgel, na Catalunha (Espanha), teve uma participação muito aproximada a uma competição dessa natureza e permitiu o contacto com muitas comitivas.

"Valorizamos os resultados e tentamos sempre fazer o melhor. Só o facto de tentarmos já é valorizado, porque há aspetos trabalhados indiretamente e eles sentem-se felizes e reconhecidos. Estes torneios acabam por permitir que isso seja conseguido, permitem competir e conviver com muitas outras delegações", frisou João Neto, em declarações à agência Lusa.
Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Futsal

Notícias

Notícias Mais Vistas

M M