André Horta: «O favoritismo por vezes não é tudo»

Médio desiludido com o desfecho e com a forma como a equipa entrou na partida de Chaves

• Foto: Lusa

André Horta reconheceu a péssima entrada em campo e espera retirar lições para o futuro do falhanço da Seleção Nacional. "Sabíamos que eles iriam entrar agressivos e nós não o fomos, nos primeiros 15 minutos. Quando estávamos melhores, eles fizeram o terceiro e tudo se tornou mais complicado. Acabámos por ser infelizes, porque tivemos quatro ou cinco oportunidades para fazer mais golos. É uma lição, o favoritismo por vezes não é tudo", frisou, autocrítico.

Questionado sobre se a derrota foi uma situação de desleixo, o médio foi perentório: "Isso não! Nunca houve desleixo. Não jogámos sozinhos. A Polónia também tem valor. Estamos desiludidos, mas serve para crescer. Não estamos no Europeu, mas não apaga a qualidade destes jogadores e desta geração!"

O médio que alinha nos norte-americanos dos Los Angeles FC defendeu os seus colegas da Seleção de ‘esperanças’ depois de falharem uma fase final de Europeu cinco anos depois.

Por outro lado, e do ponto de vista pessoal, este também é um duro revés. "Tinha o objetivo pessoal de chegar a um Europeu e claro que fico triste, porque nunca mais vou poder estar num Europeu, pelo menos deste escalão. Tenho até um exemplo em casa, digamos assim, que é o meu irmão. Ele jogou dois Europeus, mas a verdade é que eu nunca consegui. Agora é esperar para jogar em alguma competição no futuro", finalizou. No seu pensamento está a seleção A e a meta do Euro’2020, uma forma inteligente de afogar as mágoas.

Por Alexandre Moita
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Sub21

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.