Record

Boavista frente ao Hibernians

APRECIAÇÃO À EQUIPA

RICARDO - Apesar dos três golos que sofreu, teve muito pouco trabalho no encontro. Foi infeliz no lance em que fez a bola entrar na sua própria baliza: a bola bateu no poste e nas suas costas.

PAULO TURRA - Marcou um golo pleno de oportunidade, mas não fez uma exibição brilhante, falhando bastante em lances importantes.

ÉDER - Competia-lhe fazer as dobras dos companheiros do sector defensivo, mas nunca conseguiu. Em certas alturas do jogo, mostrou-se até com algum excesso de confiança.

MÁRIO LOJA - Actuação bastante discreta, mas sem comprometer. Defendeu como lhe competia e não arriscou em lances ofensivos.

ÁVALOS - Um jogo que não vai certamente esquecer tão cedo. Foi infeliz no lance em que deu mão na bola e provocou a grande penalidade, para além de momentos antes ter-se distraído na marcação a Chukunyere.

JOCIVALTER - Foi o autor de um dos golos do Boavista, um "golão". Acabou por ser sacrificado na segunda parte, porque Jaime Pacheco precisava de refrescar a equipa.

GOULART - Tentou sempre desequilibrar e foi um jogador que nunca desistiu de lutar. Não foi brilhante. Começou o jogo com algum receio, tanto na recepção como no passe.

DUDA - Tentou remar contra a maré e em várias ocasiões trocou de posição com Serginho, para ver se conseguia surpreender a marcação dos jogadores do Hibernians. Acabou por não render o suficiente.

SERGINHO - Ficaram alguns lances de perigo por concretizar. Dispôs de várias ocasiões para marcar, mas desta vez ficou em branco.

LUÍS CLÁUDIO - Não se pode exigir muito mais deste brasileiro, que marcou no jogo de estreia como titular na equipa boavisteira. Apresentou-se algo nervoso no início, mas com o golo ganhou maior confiança.

CAFU - Não esteve muitos minutos em campo e, por isso, não teve grandes oportunidades para se mostrar. Ainda assim, teve um lance em que driblou vários adversários mas depois não marcou.

BOSINGWA - Não entrou bem no jogo, perdendo algumas bolas em zonas perigosas do terreno de jogo. Mostrou-se algo nervoso nos primeiros instantes, com a ânsia de ganhar os lances. Depois melhorou um pouco.

MARTELINHO - O objectivo do treinador era dar alguma velocidade à partida. Foi um último trunfo do banco para inverter o ataque da equipa, que estava algo manietado com o empate sofrido.
1
Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Liga dos Campeões

Notícias

Notícias Mais Vistas

M