Craques do Atlético Madrid já sonham com jogadas da final

Jogo com Real Madrid agendado para dia 28

• Foto: Reuters

Os jogadores do Atlético Madrid expressaram este sábado a confiança em "abrir uma página de história" na final da Liga dos Campeões marcada para o próximo dia 28, focando a preparação do embate frente ao Real Madrid no contra-ataque blanco.

"Esperamos um Real Madrid na linha do que faz na Champions, tentando surpreender no contra-golpe. Vamos pressionar e tentar que o adversário não jogue, aproveitando também os poucos espaços que o Real nos conceda", explicou o capitão Diego Godín.

A uma semana da reedição da final de Lisboa, em 2014, grande parte do plantel colchonero falou à imprensa, no dia aberto à comunicação social.

Antoine Griezmann, o francês que tem sido figura maior da temporada do Atlético, com 32 golos apontados, rejeitou a pressão do jogo, mas reconheceu o peso que a final da Liga dos Campeões tem no descanso dos jogadores.

"Não mudo os meus costumes, tento aprender e desfrutar do tempo que estou no relvado. Quando estás a tentar adormecer, é impossível não imaginar jogadas da partida. Acontece nos grandes jogos, mas quando acordo sobra a vontade de treinar para estar pronto", disse Griezmann, recentemente convocado para o Euro2016, por Didier Deschamps, e incluído pelo técnico argentino Diego Simeone nos candidatos à Bola de Ouro.

O esloveno Jan Oblak vincou a necessidade de esforço coletivo e de atenção a todo o onze madrileno.

"Temos de os parar a todos. Sabemos que vai ser difícil. Certamente que vamos dar tudo o que temos e, no final, esperamos que seja suficiente. É importante manter a baliza a zeros. Assim só temos de marcar um golo, tal como temos conseguido em vários jogos", referiu o ex-guarda-redes do Benfica.

Por outro lado, o médio argentino Augusto Fernández, titular durante a temporada na ausência do português Tiago, afastado por lesão, destacou o trio ofensivo composto pelo francês Karim Benzema, o galês Gareth Bale e o português Cristiano Ronaldo.

"São jogadores muito verticais, muito potentes e que aproveitam quando têm muito espaço", sublinhou.

A concluir, Koke referiu o "maior equilíbrio" proporcionado pelo brasileiro ex-FC Porto Casemiro, e Godín deu o mote para a desforra de 2014, jogo em que marcou o golo, infrutífero pelo empate de Sergio Ramos, aos 90+3', ponto de viragem para um prolongamento em que o Real fez três golos para conquistar a 10.ª Liga dos Campeões.

"Depois dessa final, eu e todos os meus companheiros sonhamos jogar outra. Temos a ambição, confiança e humildade de sempre, numa oportunidade para abrir uma grande página da história do Atlético Madrid", finalizou o capitão.

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Liga dos Campeões

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.