Grupo A
Grupo B
Grupo C
Grupo D
Grupo E
Grupo F

Casa cheia em Budapeste "pode fazer a diferença" contra Portugal , diz ministro húngaro

Péter Szijjártó insistiu que com o fator casa a favor a Hungria "tem uma hipótese" de ganhar

• Foto: Reuters

O chefe da Diplomacia da Hungria, Péter Szijjártó, disse esta terça-feira à Lusa que os mais de 60.000 húngaros que vão estar no estádio Puskás Arena, em Budapeste, para o jogo com Portugal do Euro'2020, poderão "fazer a diferença".

"Seremos o único anfitrião do Euro2020 a poder ter casa cheia no estádio. Teremos os quase 69 mil lugares de espetadores totalmente ocupados, sem limitações, porque estamos tão avançados na vacinação [contra a covid-19] que podemos fazer isso", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comércio da Hungria, em entrevista à Lusa na Praia, depois de entregar um donativo de 100 mil doses da vacina AstraZeneca às autoridades cabo-verdianas.

Portugal joga em 15 de junho com a seleção da Hungria no Puskás Arena, em Budapeste, a primeira partida da fase de grupos do Euro2020 e Péter Szijjártó admite que na teoria a seleção portuguesa estaria em vantagem: "Se o jogo tivesse lugar só no papel, definitivamente perdíamos".

"O que pode fazer a diferença para o nosso lado é jogar em casa e 69.000, bem, 60.000 húngaros a apoiar a equipa", afirmou Péter Szijjártó, recordando que os jogadores de futebol "já não estão habituados" a partidas com público, muito menos casa cheia, após mais de um ano de restrições devido à pandemia de covid-19.

Acrescentou que os adeptos portugueses podem assistir ao jogo no Puskás Arena - Portugal também joga depois com a França no mesmo estádio -, estando obrigados à apresentação de testes PCR negativos para covid-19, necessitando com bilhete para o jogo, para entrar no país.

Na Hungria, com mais de 60% dos adultos vacinados contra a covid-19, equivalente a 5,2 milhões de pessoas, a economia reabriu e alguns desportos já contam com lotação máxima de público, explicou o governante.

Péter Szijjártó insistiu que com o fator casa a favor, a Hungria "tem uma hipótese" face a Portugal, mas recorda a ausência do "amigo" Balázs Dzsudzsák, médio ofensivo "e número 7 como o Ronaldo", que em 2016 marcou dois dos golos da seleção húngara no empate (3-3) com a equipa portuguesa (fase final Euro2016, em França).

"Infelizmente agora não faz parte da equipa porque não recebeu o convite do treinador, ele lá saberá", rematou.

Por Lusa
Deixe o seu comentário
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Hungria

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.