Record

Assinatura Digital Premium Saiba mais

África é o pai e a mãe da epopeia gaulesa

Catorze dos 23 jogadores têm ali raízes e conferem uma ‘musicalidade’ diferente à seleção

• Foto: Reuters

França vai tentar no domingo sagrar-se campeã do Mundo pela segunda vez, e muito deve a épica caminhada em terras russas a... África. A maior parte dos jogadores que compõe o grupo de Didier Deschamps – 14 em 23, para ser mais concreto – tem raízes naquele continente, emprestando uma musicalidade diferente ao futebol da equipa gaulesa.

O contingente africano pode dividir-se em dois subgrupos. O primeiro é o mais pequeno e corresponde aos atletas nascidos em África. É composto apenas por Umtiti, natural de Iaundé (Camarões), e Mandanda, nascido em Kinshasa (Congo). O segundo é o mais vasto e corresponde aos jogadores nascidos no ‘hexágono’, mas com ascendentes diretos (pai ou mãe) naturais de África. Quem são? Kimpembe, Pogba, Mbappé, Dembélé, Tolisso, Kanté, Matuidi, N’Zonzi, Rami, Fekir, Sidibé e Mendy.

Vida malvada

Cada um deles tem uma história de vida interessante. Atente-se, por exemplo, à infância de Kanté! Os pais decidiram trocar o Mali por França em 1980. Vieram à procura de uma vida melhor, claro! O destino trouxe-lhes trabalho e mais trabalho em troca de uns míseros francos. N’Golo nasceu em 1991, nos subúrbios de Paris, e cedo teve que arregaçar as mangas. Aos 7 anos palmilhava muitos quilómetros por dia em busca de sucata. Vendia-a e ajudava os pais a governar a casa. E Pogba? É natural de Lagny-sur-Marne (França), ao contrário dos dois irmãos mais velhos, nascidos na Guiné. Também jogam futebol e representam a seleção daquele país africano.

Um caldeirão de culturas

A seleção gaulesa é um hino à multiculturalidade. Griezmann tem raízes alemãs e portuguesas (avô materno). Aréola é filho de filipinos, enquanto Giroud é neto de italianos. O pai de Varane é oriundo da Martinica, território insular francês no Caribe. Lemar é natural de Guadalupe, outro departamento gaulês nas Caraíbas.

A herança do Mundial’98

Deschamps sonha repetir a proeza de 1998, ano em que França ganhou o seu único título mundial. Também tinha atletas com raízes nos quatro cantos do Mundo: Vieira, Desailly, Thuram, Karembeu, Lama, Lizarazu, Djorkaeff, Zidane, Pires, Henry, Diomède, Boghossian e Trézéguet. 

Por Nuno Pombo
Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Mundial 2018

Notícias
M M