José Herculano avalia clima dos jogos de Portugal: «Em Sochi haverá impacto térmico»

Preparador físico do V. Setúbal na última época passou pelo Lokomotiv e conhece bem a Rússia

• Foto: Reu

O Mundial da Rússia encerra em si uma particularidade poucas vezes vista nas anteriores edições: a dimensão do país, o maior do mundo em área, obrigará as 32 seleções presentes a longas viagens, numa prova cujas duas cidades-sede mais distantes estão separadas por seis horas de avião, ou mais de três mil quilómetros (e atenção que a competição joga-se somente na parte europeia da Rússia!). São, por isso, três fusos horários e climas muito díspares que podem influenciar o rendimento dos futebolistas.

José Herculano era o preparador físico do Lokomotiv Moscovo em 2011/12, numa equipa técnica liderada por José Couceiro

Portugal começará já hoje a ‘provar’ essas diferenças térmicas, num embate entre duas equipas com abordagens diferentes ao clima. "Espanha, em Krasnodar, foi para um clima mais quente, treinando-se em temperaturas superiores às que vai encontrar nos três jogos da fase de grupos. Portugal, ao escolher Kratovo, trabalha num clima mais ameno ao nível da preparação. Em Sochi haverá impacto térmico e existe o problema de a temperatura mais baixa lá ser a mais alta em Moscovo. Se o jogo fosse às 15h locais, Portugal podia apanhar 32 graus. Mas o jogo é às 21h, o que é menos mau, embora haja alguma humidade que pode aumentar as sensações de calor. Tivemos sorte com o calendário nesse aspeto da hora", começou por dizer José Herculano, preparador físico do V. Setúbal na última temporada e que fala com conhecimento de causa, pois passou pela Rússia em 2011/12, ao serviço do Lokomotiv Moscovo, atual campeão russo.

À memória vêm, de imediato, as dificuldades por que Portugal passou no Mundial de há quatro anos, em que a preparação no Brasil foi muito criticada. "Em Campinas a temperatura em que Portugal se preparou tinha uma maior amplitude térmica entre o local de treino e o local de jogo. Aqui não. O nosso último jogo nessa edição foi mesmo no pior clima, aqui será o contrário, pois Portugal jogará em Saransk, num clima mais parecido ao de Moscovo. Os jogadores vão ter melhores sensações na partida que poderá ser decisiva para o apuramento", sublinha José Herculano, frisando que, na primeira fase, o acumular do cansaço é inverso aos problemas que o clima pode trazer.

Elogios ao quartel-general e aviso para ‘oitavos’

A opção tomada pelo Centro de Treinos de Saturn – como Record adiantou, a FPF ‘reservou-o’ pouco depois do Euro’2016 – merece aplausos. "Quando treinei na Rússia era dos melhores centros de estágio. Num país de extremos, penso que a Federação equilibrou as contas com a escolha de Kratovo. Ficou com uma preparação mais equilibrada (viagens, clima, qualidade das acomodações). Não teria feito diferente", referiu.

Porém, com a entrada do verão e o acentuar do calor, o clima pode, aliado ao cansaço acumulado, assumir um papel ainda mais preponderante. E Portugal, consoante o seu desempenho na fase de grupos, terá algo a dizer nesse aspeto. "A grande questão é se passar em segundo lugar. A temperatura vai ter mais influência com o passar da competição e Portugal ficando em segundo voltará a Sochi nos oitavos-de-final", alertou Herculano.

Dicas para fazer face ao clima

Fruto da sua experiência na Rússia – onde até provou maiores disparidades ao nível do clima, pelo facto de o campeonato local não se cingir somente à parte europeia do país -, o ex-preparador físico do Lokomotiv deixa algumas dicas para contrariar os problemas que o calor e a humidade podem trazer.

"O controlo dos níveis hídricos antes, durante e após os jogo; minimizar os efeitos das viagens (atenção ao trânsito de Moscovo); atenção à luminosidade dos quartos dos jogadores, pois o Sol nasce muito cedo, por volta das 5h, e pode afetar as horas de sono. Neste Mundial a temperatura pode ser importante, pois ainda vai subir mais. Mas para já ainda não", frisou, destacando ainda a gestão de esforço de Cristiano Ronaldo nesta temporada, que lhe permite estar mais fresco comparativamente com a edição anterior.

PREVISÕES PARA OS TRÊS JOGOS DE PORTUGAL*

SOCHI (hoje, 19h00)
Temperatura: 27ºC
Céu limpo
Humidade: 66%

MOSCOVO (20 junho, 13h00)
Temperatura: 22ºC
Céu parcialmente nublado
Humidade: 45%

SARANSK (25 junho, 19h00)
Temperatura: 23ºC
Céu parcialmente nublado
Humidade: 65%

*À hora do início do encontro

Por João Socorro Viegas
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Mundial 2018

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.