Dejan Lovren tem sido um dos pilares da defesa croata neste Mundial e foi mesmo dele o último corte, de cabeça, a negar o derradeiro ‘assalto’ da Inglaterra à baliza de Subasic. O central do Liverpool foi bastante criticado ao longo da temporada, devido a algumas exibições intermitentes nos reds, mas ajudou a equipa de Jürgen Klopp a chegar à final da Champions e agora vai tentar guiar a Croácia à vitória no Mundial.

O experiente defesa, nascido em Zenica (Bósnia) a 5 de julho de 1989 (29 anos), teve uma infância difícil: aos 3 anos, deixou a antiga Jugoslávia com os pais para fugir à guerra da Bósnia e viveu sete anos em Munique, embora depois tenha rumado a Karlovac, uma localidade a 50 quilómetros de Zagreb, capital da Croácia, onde se radicou.

O facto de ter vivido estes episódios tornou-o mais forte psicologicamente, ao ponto de não se deixar afetar com as críticas ao seu jogo em... Inglaterra. "Mostrámos o nosso caráter, mas também que merecemos estar na final e as pessoas deviam respeitar-nos. Por vezes, as críticas foram injustas e deviam respeitar-me mais. Sem qualquer tipo de arrogância, creio que provei ser um dos melhores centrais do Mundo [esta época]. Se alguém me dissesse no início da época que eu jogaria as duas maiores finais do Mundo futebolístico, teria assinado por baixo. Ouvi muita m...! Infelizmente, não ganhámos a Liga dos Campeões mas é mesmo assim. Acreditava mais que poderia ganhar essa competição – graças à capacidade e velocidade de jogo do Liverpool – do que isto", atirou o central, libertando a pressão acumulada na época.

Desforra 20 anos depois

Já sobre a França, Lovren respeita e espera a... desforra. "Tinha nove anos e lembro-me da minha mãe a chorar e a gritar depois do jogo com a França [meia-final de 1998, perdida por 2-1]. Talvez tenha chegado a hora da nossa desforra. Será difícil mas podemos dar-lhes o que nos deram há 20 anos."

Defesa recebeu SMS de Klopp

Já no final da partida eletrizante das meias-finais, frente a Inglaterra, Lovren confessou ter recebido uma mensagem de apoio de Jürgen Klopp, treinador do Liverpool. "Ele disse estar orgulhoso do que eu alcancei e sabe o que eu passei [esta época]. É um bom homem pois, mesmo nos maus momentos, sempre me apoiou", atirou o central croata, de 29 anos.

Companheiro de equipa do inglês Jordan Henderson, Lovren apoiou o amigo. "Ele também merecia estar nesta final mas só um podia ganhar."

Autor: Hugo Neves