De um momento para o outro, a concentração de estrelas por metro quadrado em Sochi aumentou... e de que maneira! Estranho? É que as seleções de Portugal, Espanha e Brasil estão todas instaladas nesta autêntica Riviera russa por esta altura. Pegando nos casos da equipa das quinas e da Roja, a proximidade é mesmo muita. Basta ver que os campeões europeus em título têm a cama feita a apenas 5,3 quilómetros do rival ibérico.

Já o Brasil está ligeiramente mais longe, mas nada que se não faça rapidamente de carro, até porque o trânsito não é louco como em Moscovo. O escrete fica a 24 quilómetros da Espanha e a 29 de Portugal, mas é mesmo caso para dizer que Cristiano Ronaldo, Sergio Ramos e Neymar estão todos a brilhar ao mesmo tempo.

No entanto, não é assim tão simples dar mais nas vistas do que a própria cidade de Sochi. Basta um passeio pelo arrebatador Parque Olímpico, que acolheu os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, para ficar boquiaberto. Não é por acaso que todo o complexo custou algo como... 45 mil milhões de euros. Só o Estádio Fisht, com forma de concha, em alusão aos ovos Fabergé, teve um custo de quase 800 milhões. Mas está a ser bem aproveitado de forma estética, pelo menos, já que se pinta com muitas luzes durante a noite, enquanto há vários espetáculos de jatos de água para encantar os adeptos.

Tudo isto acontece no mesmo local em que os carros de Fórmula 1 correm no circuito russo, conferindo ainda mais ‘glamour’ a uma cidade que arrebata pelas paisagens do mar Negro, bem como das montanhas da Clareira Vermelha. É neste cenário que Portugal vai à procura de dar o pontapé de saída da melhor forma no Mundial, sabendo que a rota para a final passará sempre por Sochi: se ficar em 1º, poderá voltar nos ‘quartos; em 2º, regressa nos ‘oitavos’.

Esperados cerca de 1.500 lusos

Com capacidade para quase 48 mil adeptos, o Estádio Fisht terá presença portuguesa, ainda que longe daquela que se verificou no Euro’2016, por exemplo. De acordo com o que o próprio Fernando Santos explicou, esperam-se cerca de 1.500 adeptos lusitanos nas bancadas, sendo previsivelmente superados pelo povo espanhol em termos de número. Ainda assim, a equipa de reportagem de Record já viu alguns desses portugueses, que não escondem estar muito confiantes.

Autor: Pedro Gonçalo Pinto