Abel Ferreira: «Quero fazer história logo no primeiro ano»

Ambiciona colocar o PAOK na fase de grupos da Champions e, para tal, espera reforços

Contratado ao Sp. Braga por 2,5 milhões de euros, Abel Ferreira fez questão de impor o seu estilo na apresentação oficial como treinador do PAOK. Começou por surpreender os jornalistas com uma declaração inicial em grego – na qual manifestou o "grande prazer" em ter aceitado o convite do campeão helénico para suceder a Razvan Lucescu – e, depois, disse ao que vinha: "Queremos entrar na fase de grupos da Liga dos Campeões. É esse o nosso primeiro objetivo, claro e convicto. Queremos fazer história logo no nosso primeiro ano", vincou o português, consciente da herança que recebeu, depois de a equipa capitaneada por Vieirinha ter conquistado um título que fugia há 34 anos.

"Já disse que tenho muito respeito pelo que fizeram e estão todos de parabéns por isso. O mais difícil não é ganhar, é ganhar consecutivamente e foi essa vontade, esse desafio que me fez aceitar este projeto. O desafio de pegar numa equipa que foi campeã, continuar com esse sucesso a nível interno e aumentar a sua reputação em termos internacionais", afirmou, destacando a importância de ultrapassar a pré-eliminatória da Champions. "Sabemos que é o top do futebol mundial e, se queremos estar entre os melhores, temos de superar os nossos limites e é isso que estou a fazer, a sair da minha zona de conforto e a desafiar-me."

Num momento de avaliação do grupo que tem à sua disposição, Abel Ferreira salientou as saídas de jogadores importantes, como Sérgio Oliveira (FC Porto), e confessou que está à espera de reforços. "Estamos a fazer uma grande revisão ao motor do nosso carro. É a peça mais importante, tal como o coração no corpo humano. Posso perder uma perna, uma mão e continuar a viver, mas o coração tem de estar forte."

Faltam médios e um lateral

Ao lado de Abel Ferreira, na apresentação oficial, estava Mário Branco, diretor desportivo do PAOK, que assumiu a necessidade de reforços, os quais poderão ser recrutados na Liga portuguesa. "Não é preciso ser um especialista para ver que precisamos de médios e de um lateral-esquerdo. Têm de ser jogadores que elevem o nosso nível. Todos sabemos o que queremos, mas entre o ideal e o real há alguma diferença. O mercado só fecha a 31 de agosto. Neste momento está inflacionado e às vezes é difícil trazer quem queremos, quando queremos e da maneira que queremos". Abel Ferreira já enviou à direção um relatório sobre as carências da equipa. "O que posso dizer é que estamos em sintonia. Mais importante do que contratar é contratar para trazer qualidade, para tornar a equipa mais equilibrada", disse o técnico.

Os duelos com Pedro Martins e Cardoso

Na defesa do título, Abel Ferreira terá de superar dois compatriotas que bem conhece: Pedro Martins orienta o rival Olympiacos e Miguel Cardoso o AEK, o anterior campeão. Duelos pelos quais o técnico do PAOK anseia, recusando entrar em ‘guerras’ de palavras. "Sou filho de gente humilde e se perguntarem aos meus pais há 20 anos se estaria aqui, eles iriam dizer que era impossível. Mas quando tu acreditas, quando sais da zona de conforto, quando te desafias, quando tens coragem de assumir riscos, mais cedo ou mais tarde o sucesso aparece . Respeito muito o trabalho dos meus compatriotas, são muito bons treinadores, mas estou desejoso de os defrontar dentro do campo pois é aí que o jogo se faz", sustentou o ex-Sp. Braga.

Por Aurélio de Macedo
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.