Coronavírus: Clubes chineses negoceiam "corte razoável" nos salários

De forma a atenuar os prejuízos financeiros provocados pela pandemia do coronavírus

Os clubes de futebol chineses estão a negociar um "corte razoável" nos salários dos jogadores para atenuar os prejuízos financeiros provocados pela pandemia da covid-19, anunciou esta quinta-feira a federação.

Esta medida de redução salarial, em discussão entre os clubes das três principais divisões do futebol chinês, vai ser implementada a exemplo do que já sucede em alguns clubes europeus, entre os quais os portugueses Belenenses SAD, Leixões e Penafiel.

Também a italiana Juventus, de Cristiano Ronaldo, e os espanhóis FC Barcelona (Nélson Semedo), Real Madrid, Atlético de Madrid (João Félix), Sevilha (Rony Lopes), Valência (Gonçalo Guedes), Espanyol, Alavés, Osassuna e Saragoça já adotaram idêntica medida.

Os cortes salariais nos clubes chineses serão aplicados retroativamente a partir de 01 de março e durarão até o início da nova temporada, segundo a comunicação social local.

O início do campeonato estava originalmente marcado para 22 de fevereiro, mas foi adiado quando a epidemia do novo coronavírus se expandiu a partir de Wuhan, no centro da China.

"Os clubes profissionais de futebol e os investidores enfrentam enormes dificuldades operacionais", refere em comunicado a federação, apelando à adoção de "medidas fortes" para um corte "razoável" nos salários para diminuir os encargos financeiros.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,5 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 89 mil.

Dos casos de infeção, mais de 312 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 409 mortes, mais 29 do que na véspera (+7,6%), e 13.956 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 815 em relação a quarta-feira (+6,2%).

Dos infetados, 1.173 estão internados, 241 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 205 doentes que já recuperaram.

Por Lusa

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.