Ministro italiano do Desporto com muitas dúvidas quanto ao regresso da Série A

Vincenzo Spadafora diz que talvez seja melhor pensar-se já na próxima época

O ministro para a Juventude e Desporto de Itália, Vincenzo Spadafora, disse hoje que vê cada mais difícil um recomeço da Série A de futebol, devido à covid-19, e que talvez seja melhor pensar-se já na próxima época.

"Honestamente, vejo o caminho para um regresso da competição cada vez mais pequeno. O tema dos treinos é diferente, mas se fosse presidente de um clube da Série A começaria a pensar na próxima época", disse o governante.

Spadafora explicou que hoje e na quinta-feira irão continuar os contactos entre o comité técnico-científico e a Federação italiana (FIGC), organismo que anteriormente apresentou para os treinos um protocolo, que foi considerado insuficiente.

"Se não queremos ter dúvidas, basta seguir o caminho da França e dos Países Baixos, que abandonaram", acrescentou o ministro.

No domingo, o Governo italiano anunciou que os atletas que pratiquem desportos individuais podem retomar os treinos a partir de 04 de maio, mas que os clubes de futebol devem esperar até 18 para regressarem aos centros de treino.

"No papel de ministro do Desporto seria um louco discriminar o futebol, que traz dinheiro a todo o sistema desportivo, mas se não se pode retomar a competição em condições de segurança, é nossa obrigação parar. É absurdo que três ou quatro presidentes não o entendam", conclui.

Na segunda-feira, o diretor desportivo da Lazio deixou críticas ao Governo, em relação à data de 18 de maio para os treinos dos clubes.

"Estamos surpreendidos com as palavras do primeiro ministro [Giuseppe] Conte e do ministro do Desporto [Vincenzo] Spadafora. O dia 04 de maio devia ser o momento de reatar os treinos. Considerando as decisões tomadas, cremos que fomos discriminados", explicou Igli Tare, citado pelo clube.

Na sexta-feira, os Países Baixos deram por terminada a época de futebol face à crise sanitária existente e ao perigo de contágio com o novo coronavírus, e na terça-feira foi a vez da França a inviabilizar o regresso da Ligue 1.

O futebol, num campeonato que conta com o internacional português Cristiano Ronaldo (Juventus), é o único desporto em Itália que pretende terminar a época, tentando evitar perdas de receitas que podem atingir os mil milhões de euros.

A Itália, atrás dos Estados Unidos (58.351), é o segundo país do mundo com mais mortes associadas à covid-19, com 27.359 óbitos, em mais de 201 mil casos de pessoas infetadas.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 215 mil mortos e infetou mais de três milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 840 mil doentes foram considerados curados.

Por Lusa

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas