Funcionário da funerária que tirou foto de Maradona no caixão pede desculpa: «Dizem que vão matar-me»

Claudio Fernández, que foi despedido, revela que tem recebido ameaças

As fotografias começaram a circular na internet e geraram grande indignação, ao ponto de o advogado de Maradona ter ameaçado com processos judiciais. Três funcionários da agência funerária que tratou das cerimónias fúnebres de Maradona tiraram fotos com o corpo e agora um deles pede desculpa à família.

Trata-se de Claudio Fernández. Aparece numa das imagens junto com o filho, Claudio Ismael, e à 'Radio 10' explicou o que sucedeu. "Eu trabalho com várias agências funerárias há vários anos. Não tiro fotos a falecidos, por respeito. Mas que posso dizer? Estávamos a acomodá-lo, preparando-o para o levar e alguém diz 'olha para aqui'. Eu olhei, o meu filho é um miúdo e levantou o polegar. Peço respeito e perdão a todos. Fiz o serviço fúnebre do pai do Maradona, do cunhado e nunca fiz algo assim. Nunca lhe fiz isto em vida, sabendo que ele é meu ídolo não vou o fazeria na sua morte. Não há intenção. Sei que muitas pessoas ficaram ofendidas, sei que levaram mal. Estou a receber todas as ofensas possíveis, sei que incomodou. Mas isto nunca tinha acontecido antes."

E continuou: "Recebi ameaças. Sou do bairro, todos me conhecem. Dizem que vão matar-me, que vão partir o carro, ameaçam os meus filhos e não sou esse tipo de pessoa. Essa foto não foi tirada do meu telemóvel, foi tirada a partir de outro, isso é o pior de tudo. Nunca pensei que iriam publicá-la, que eles iriam passá-la a um grupo ou torná-la viral. Peço desculpas à família Maradona."

Fernández acrescentou que foi despedido da agência funerária mal as fotos se tornaram públicas. "O Maradona era um ídolo para todos. Meu e de toda a gente. O que fiz não foi intencional, nem da minha parte nem do meu filho. Chamaram-me da empresa, acusaram-me por algo que não fiz. Mas a empresa não tem culpa. Se virem bem a foto, chamaram-me e eu apenas levantei a cabeça, estava a acomodá-lo. O meu filho levantou o polegar. Nada mais, foi instantâneo. O que eu mais queria era deixá-lo [a Maradona] como um ídolo, para que todos pudessem despedir-se dele."

"O meu filho trabalha comigo, há sete anos que estávamos na empresa. Sei que nunca vão conseguir colocar-se no meu lugar, mas peço desculpas publicamente. A todo o Mundo. Peço desculpas à Claudia, à Giannina, a toda a família Maradona, a toda a gente. E também à agência funerária, que não teve culpa disto", finalizou.

Por Record
8
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.