Génova candidata-se a receber o River Plate-Boca da Libertadores e explica motivos

Final estava marcada para este fim-de-semana mas foi adiada devido a graves incidentes com adeptos

• Foto: Reuters
A cidade de Génova candidatou-se esta segunda-feira a receber o jogo entre River Plate e Boca Juniors, da final da Taça dos Libertadores, que foi adiado no sábado, em Buenos Aires, devido a graves incidentes com adeptos.

Numa carta enviada ao presidente dos dois clubes argentinos, o vice-presidente do município, com o pelouro do desporto, lembrou o "profundo laço histórico e cultural" que existe entre a cidade italiana e o futebol argentino. "Tenho o prazer que informar que a nossa cidade tem a honra de estar disponível para acolher um jogo tão importante e prestigiado. Seria também uma oportunidade adicional para dar visibilidade internacional a Génova neste período difícil e para renovar a amizade profunda que nos liga historicamente", escreveu Stefano Anzalone.

Mas não se pense que esta oferta é inocente. A alcunha Xeneize, pela qual o Boca e os seus adeptos são conhecidos, é uma derivação da palavra ‘Genoese’, gentílico da cidade italiana.  De resto, os fundadores do Boca Juniors eram na sua grande maioria imigrantes provenientes de Itália, residentes no bairro La Boca, onde ambos os clubes surgiram.

Em agosto, a queda de uma ponte em Génova resultou em 43 mortos, num dos episódios mais dramáticos da cidade.

No domingo, o presidente da Confederação Sul-americana de Futebol (CONMEBOL), Alejandro Domínguez, anunciou a suspensão da segunda mão da Taça Libertadores, com os presidentes de River Plate e Boca a agendarem uma reunião para encontrar nova data.

O jogo estava previsto para sábado pelas 17 horas locais (20 em Lisboa), mas foi adiado duas vezes para horas posteriores, antes de passar para domingo, depois do ataque ao autocarro do Boca, a caminho do estádio Monumental, com o arremesso de pedras.

Vários jogadores do Boca ficaram feridos, por serem sido atingidos por vidros ou devido ao uso de gás lacrimogéneo por parte da polícia, com o capitão Pablo Pérez a ter de ser assistido no hospital, antes de regressar ao estádio, com uma pala a proteger o olho esquerdo

No primeiro jogo, em casa do Boca, registou-se um empate a duas bolas.
Por Record com Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Internacional

Confiança em Mourinho

Proprietários da Roma acreditam que o luso é o treinador certo e vão investir em janeiro

Notícias

Notícias Mais Vistas