O nosso website armazena cookies no seu equipamento que são utilizados para assegurar funcionalidades que lhe permitem uma melhor experiência de navegação e utilização. Ao prosseguir com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a Politica de Cookies Cofina

Record

Assinatura Digital Premium Saiba mais

Hugo Vieira: «Só falta a Seleção na minha carreira»

Avançado português deu mais uma vitória (1-0) à sua equipa, que parece ter engrenado na liga

• Foto: Getty Images

O Yokohama Marinos arrancou de forma tímida na liga japonesa mas, em duas jornadas, recuperou a alma vencedora graças a um matador português. Hugo Vieira voltou este fim de semana a fazer o golo solitário da vitória da sua equipa, desta vez em casa do Shimizu S-Pulse. "O Hugo goleador está ‘online’ desde 2015. E assim quer continuar", atira o antigo avançado de Sp. Braga e Gil Vicente, entre outros, explicando depois o porquê de um arranque negativo (um empate e duas derrotas nas primeiras três jornadas): "Mudámos de técnico, entraram 3 ou 4 jogadores novos e a ideia de jogo é completamente diferente. Por isso, requer tempo mas já mostrámos entrosamento e a equipa joga cada vez melhor."

A meta pessoal baseia-se no que tem conseguido nas últimas três épocas. "Tenho marcado 20 golos por temporada! [18 em 2017 no Yokohama e 20 em 2015/16 no Estrela Vermelha de Belgrado]. Esta época ainda tenho de marcar mais. Queremos ser campeões e ganhar a Taça. O objetivo mínimo é apurarmo-nos para a Champions Asiática", explica.

Com a ambição no topo, Hugo Vieira não deixa de pensar na Seleção Nacional. Segundo o selecionador Fernando Santos, só Ronaldo está já convocado para o Mundial’2018. Entrar nos 23 é a meta. "Os números dizem que sou dos melhores nos últimos anos mas nunca tive uma oportunidade. Só falta a Seleção na minha carreira mas nas minhas mãos só está trabalhar e fazer golos para que todos os portugueses se orgulhem de mim. Há dias, o Paulo Futre falou de mim numa crónica, desejou-me sorte. Só ele sabe como é difícil jogar aqui num país fechado. Mas não desisto", atira, explicando a razão: "Vejo o estádio cheio de bandeiras de Portugal. Amam-me tanto que é difícil não me sentir em casa. Ver miúdos a querer aprender o idioma por mim, tenho a certeza que qualquer português está orgulhoso de mim."

Por Hugo Neves
Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas

M M