Jorge Jesus: «O Dínamo Kiev não é uma equipazinha qualquer»

Técnico do Fenerbahçe diz que jogadores devem sair de cabeça levantada após adeus à Champions

A carregar o vídeo ...
O golo que ditou o adeus do Fenerbahçe de Jorge Jesus à Champions
Jorge Jesus assumiu que, apesar da derrota diante do Fenerbahçe e eliminação da Liga dos Campeões, os jogadores da equipa turca devem encarar o futuro de cabeça bem levantada. Na ótica do técnico português, a falta de experiência nestes ambientes acabou por ser determinante.

"O jogo tem uma história, como todos. Até aos 65 minutos, o Fenerbahçe foi a equipa que mais oportunidades criou. Fez sete remates na baliza, o Dínamo um. Para quem estava no estádio, quando estava 11 para 11 todos acreditávamos que íamos passar. A expulsão mudou tudo. Normal. Não só pelo facto de termos menos um, mas porque a expulsão desorganizou a equipa. Foi nessa altura que o Dínamo marcou. A equipa teve muita crença e alma e foi à procura do golo. Temos o penálti falhado. Fomos uma equipa corajosa. Acabámos por marcar numa bola parada. Quando se ganha não se fica feliz, mas o jogador do Fenerbahçe tem de sair com a cabeça bem levantada, porque correram muito, jogaram muito quando estava 11 para 11. A falta de experiência de jogar na Champions foi determinante e fez com que a equipa saísse eliminada", disse, em conferência de imprensa.

Questionado de forma individual, sobre se as apostas feitas no mercado foram com a sua aprovação, JJ desvalorizou. "Não importa muito estar agora a falar se concordei com os jogadores que o Fenerbahçe contratou, claro que sim [que concordei]. O que importa hoje é o jogo. Os adeptos do Fenerbahçe devem estar orgulhosos do que a equipa fez hoje enquanto esteve a jogar 11 contra 11. Mesmo depois, a equipa teve uma boa resposta em querer e acreditar, mas quando estás na Champions os mais pequenos pormenores determinam se tu passas ou não [para a próxima eliminatória] e foi o que aconteceu hoje. A expulsão do Ismail [Yüksek] teve algum peso no jogo, quando estávamos 11 contra 11 tinhamos 60% de posse, quatro oportunidades de golo... e isso mudou o nosso comando do jogo. A equipa teve de correr muito, depois no prolongamento a equipa já não teve a capacidade física necessária para aguentar. Quem viu o jogo viu que a equipa do Fenerbahçe estava mais cansada que o Dínamo Kiev por tudo o que foi acontecendo durante os 90 minutos."

Jorge Jesus aproveitou também para lembrar as dificuldades que o Dínamo Kiev deu ao 'seu' Benfica na época passada. "Eu é que trabalho com os jogadores durante a semana, eu é que conheço os jogadores. Todas as decisões que a equipa teve neste jogo em função do primeiro jogo a equipa esteve muito bem. Não tendo problemas físicos, achei que não justificava tirar alguém. Se não jogar Joshua King, está o Dursun, mas fisicamente não está tão pronto para os jogos. Não é uma questão de estar a falar de jogador A ou B. Trata-se da eliminação do Fenerbahçe. Trata-se que jogámos 1 hora e 15 minutos com menos um jogador contra uma boa equipa. O Dínamo é uma excelente equipa, jogou no ano passado no mesmo grupo que eu, com o Barcelona, Bayern Munique e Benfica. Para ganhar a esta equipa, tanto o Barcelona como o Bayern tiveram grandes dificuldades. O Dínamo não é uma equipazinha qualquer. Estou orgulhoso do que os meus jogadores fizeram hoje", frisou.

Sobre Emre Mor, que entrou ao intervalo e saiu aos 77', JJ explicou a sua opção. "Foi físico. Entrou bem, ao fim de 10 minutos começou a ter alguma dificuldade em acompanhar os movimentos do lateral esquerdo do Dínamo. Disse-me que estava muito cansado, mais emocionalmente, achei por bem mudar. Com as alterações, a equipa melhorou muito. Empatámos o jogo, ainda que de uma bola parada. Mas isso faz parte do jogo. Às vezes os jogadores entram e têm problemas e temos de mudar. Não foi a primeira vez que isto me aconteceu. A partir do momento em que entraram novos jogadores, a equipa esteve melhor e criou oportunidades para empatar o jogo."

Questionado sobre se a arbitragem teve influência no desaire, Jesus vincou: "Não gosto muito de falar dos árbitros, nem quando ganho nem quando perco. Apesar de achar que o golo anulado ao Joshua King foi uma jogada normal, mas na expulsão do Ismael também foi rigoroso demais. O Ismael jogou primeiro a bola e não no jogador. É um jovem, é a primeira vez que está a jogar num jogo de Champions, não só ele como grande parte dos jogadores. Isto contra uma equipa que tem grande experiência na Champions. Estamos a jogar juntos há cinco meses. Na Champions não podes errar em pormenores e quando erras, normalmente, pagas caro."

Ataque ao mercado

A fechar, perguntaram a Jesus se vai pedir mais um avançado mas o treinador lembrou as condicionantes do mercado nesta fase e apontou para a reta final desta janela de transferências: "Todos podemos perceber que o Fenerbahçe começou o início da época muito mais cedo que todas as equipas na Europa. É muito difícil fazer contratações neste momento, porque as equipas da Europa não estavam a treinar e os jogadores europeus não se querem comprometer desde muito cedo nesta janela. Na Europa, tudo se decide na última semana. Será muito difícil para qualquer equipa turca contratar jogadores neste momento. Talvez mais para a frente seja mais fácil."

(notícia atualizada às 21h30)
Por Record
56
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas