Siga o nosso canal de WhatsApp e fique a par das principais notícias. Seguir

Mino Raiola: «Até o meu sobrinho de 5 anos encontrava uma equipa para o Pogba»

Empresário italiano considera que o médio do Manchester United é um dos jogadores com mais mercado

• Foto: Reuters
Mino Raiola, um dos maiores empresários do Mundo do futebol, que agencia jogadores como Ibrahimovic, Haaland, Pogba, De Ligt, Donnarumma ou Gravenberch, considerou numa entrevista ao site 'The Athletic' que o avançado francês do Manchester United é um dos jogadores com mais mercado na atualidade.

"Até o meu sobrinho de 5 anos lhe encontrava uma equipa", atirou o agente italiano na entrevista em que participou também Jonathan Barnett, empresário, entre muitos outros, de Gareth Bale. "Em Inglaterra alguns ex-jogadores ficam nervosos quando falo de Pogba e no United, por isso veem-me como um criminoso." 

Barnett, por sua vez, garantiu que o seu único interesse é a defesa do interesse dos jogadores e dá como exemplo Luke Shaw, que não estava entre as primeiras escolhas de José Mourinho no Manchester United. "Tivemos de reconstruir a sua confiança, estivemos lá, sempre com ele. Não lhe dissemos 'tens de deixar o United, tens de ir embora para que possamos ganhar dinheiro'. Não o forçámos. Ele queria ficar e foi o que fizemos. Hoje é um grande jogador", explicou o agente, que representa futebolistas como Grealish, Camavinga, Konaté, Mount o Sergiño Dest.

Nenhum dos agentes escondeu o ressentimento relativamente à FIFA. "A FIFA não entende que não somos crianças, não fazemos negócios pequenos", atira Barnett.

O italiano vai mais longe: "A diferença entre o Jonathan e eu é que eu penso que a FIFA não devia existir. Escândalos todos os anos... Não é coincidência", explicou, referindo-se a Blatter. "Não posso aceitar que uma organização que tem gente na prisão regule a minha vida e o meu negócio. Falam de corrupção e de branqueamento de capitais, mas nem um exemplo conseguem arranjar. A montanha de ouro está a desmoronar-se lentamente."

Raiola continuou: "Não estou aqui para ser amado para gostar de toda a gente. Estou aqui para ser amado pela minha família e gostar dos meus jogadores, o resto não me importa. Não penso que as pessoas nos vejam como criminosos, as pessoas sabem que fazemos parte da indústria."

Barnett defendeu o trabalho dos empresários. "Em 1966, quando a Inglaterra ganhou o Mundual, oito ou nove jogadores tiveram de vender a sua medalha. Agora garanto que nenhum teria de o fazer", explicou, acrescentando que o próximo verão será "duro", por causa da pandemia. Mas mostra-se otimista. "Espero fazer três ou quatro operações que batam muitos recordes. Temos aquele que provavelmente é o melhor jogador jovem do Mundo, o Camavinga. Temos o Grealish, o Konaté... "
Por Record
1
Deixe o seu comentário
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas