Mourinho explica por que não quer ser "um bom rapaz": «Ao fim de três meses és um fantoche»

Treinador assegura numa entrevista ao jornal 'L'Équipe' que não foi "vítima de Pogba" no Manchester United

• Foto: Getty Images

José Mourinho deu uma entrevista ao jornal francês 'L'Équipe' em que reconheceu que os jogadores podem "experimentar alguma erosão" quando estão muito tempo com o mesmo treinador. O português deixou o Manchester United em dezembro do ano passado, tendo vivido situações complicadas com jogadores como Paul Pogba.

"Não posso dizer que Pogba foi o único responsável pela situação. Não fui vítima de Pogba", assegurou o técnico, lembrando, depois, os problemas que teve com Benzema no Real Madrid. "Com o Karim não foi um conflito. Apenas queria ajudar um jogador incrivelmente talentoso a mudar a sua mentalidade, ajudá-lo a alcançar o seu máximo e a tornar-se num 'matador'. Gostei de trabalhar com ele."

Será o técnico nos clubes por onde passa vítima do 'sídrome do terceiro ano de Mourinho'? "Os jogadores podem experimentar uma certa erosão, especialmente quando lhes pedes muito. Quando tens um perfil de grupo muito profissional, muito ambicioso, trabalhador, talentoso e um clube estruturado não sofres essa erosão. Mas quando estás quase só, não tens apoio do clube no seu conjunto, alguns jogadores seguem a direção contrária do treinador. Eu não quero ser um bom rapaz porque um bom rapaz ao fim de três meses é um fantoche e isso não termina bem. Mas também não podes ser um treinador negativo. Temos de procurar o equilíbrio."

Mourinho abordou ainda o trabalho dos dois treinadores que esta época vão disputar a final da Liga dos Campeões: Jurgen Klopp (Liverpool) e Maricio Pochettino (Tottenham). "Admiro o trabalho deles, ambos merecem conquistar algo grande e não há nada melhor do que conquistar a Champions, mas um deles vai perder. O Jurgen vai disputar a sua terceira final, não posso imaginar a sensação de jogar três finais e não ganhar. O Pochettino, que ganhou ele?"

O técnico português foi confrontado com o facto de Pep Guardiola ter conquistado o seu 26.º título (ganhou a Premier League com o Manchester City) enquanto Mourinho continua com 25. "Isso recorda-me que estou aqui, com 25 títulos. Se tivesse ficado no FC Porto ou no Inter depois de ganhar a Champions teria disputado a Supertaça Europeia, o campoenato, o Mundial de clubes, e podia ter 31 títulos. Talvez eu não esteja concentrado nesses números."

Futuro não passa pelo PSG

O clube que Mourinho vai treinar na próxima época permanece uma incógnita, mas para já o treinador deixa uma garantia: não será o PSG. "Impossível. Não se pode treinar um clube que tem um treinador. Têm de me falar de um clube que tenha a porta aberta", frisou.

O técnico abordou ainda os motivos por que o campeão francês não consegue impor-se na Europa. "É um clube que tem uma dimensão global, com jogadores de grande nível. Mas ainda não ganhou ao nível europeu e isso é muito importante. É o que digo aos treinadores: podem ter grandes qualidades, mas se chegam ao final da carreira e não ganharam nada ao nível europeu, fica a faltar algo. Neste momento o PSG está nesta fase: ganha sempre em França, como a Juventus em Itália e o Bayern Munique na Alemanha. É líder do futebol francês mas está atrás dos maiores clubes europeus."

Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas