Presidente da UEFA admite "adaptações" do fair-play financeiro no futuro

O presidente da UEFA, o esloveno Aleksander Ceferin, disse esta terça-feira ser provável que a regra do fair-play financeiro tenha de se "adaptar a uma época diferente", alguns dias após a suspensão do Manchester City.

O clube, de Bernardo Silva e João Cancelo, foi banido há pouco mais de duas semanas pela UEFA das duas próximas participações nas competições europeias de clubes e multado em 30 milhões de euros, por quebra do 'fair play' e adulteração de dados financeiros.

"Ainda é muito prematuro dizer o que acontecerá no futuro, mas temos que refletir e, provavelmente, teremos de nos adaptar", lançou o dirigente máximo da UEFA, à margem do congresso do organismo, que decorre em Amesterdão.

O 'fair play' financeiro surgiu em 2011, como um mecanismo a proibir os clubes participantes nas competições europeias de gastarem mais do que as receitas geradas, além de obrigar a uma supervisão na injeção de capital dos seus proprietários.

Ceferin disse hoje que o sistema teve sucesso, mas terá, provavelmente, que se "adaptar", sem que o dirigente indicasse em que moldes, explicando apenas que isso não acontecerá num futuro próximo.

Nos dados apresentados hoje no congresso foi avançada a informação que a UEFA gerou mais de 15.000 milhões de euros de receitas no período 2016/2020, e que a época de 2018/19 teve um aumento de 38%.

Por Lusa

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0