Sneijder revela as 'leis de Mourinho': roupa, vinho e 'puxões de orelhas' a Balotelli

Ex-médio holandês recorda presença do português do Inter e não tem dúvidas em considerá-lo "um treinador brilhante"

• Foto: Reuters

Wesley Sneijder integrou a equipa do Inter que sob o comando de José Mourinho ganhou a serie A, a Taça de Itália e a Liga dos Campeões. O holandês, que pendurou as chuteiras no final da época passada, explica que o sucesso da equipa residiu na liberdade que o treinador dava aos jogadores e desmistificou a ideia de que o português é um técnico muito rígido.

"Mourinho fazia as suas próprias leis e os jogadores adoravam isso", contou o ex-médio ao jornal 'Mirror'. "Ele sabia lidar connosco muito bem. Dizia 'dou-vos mais liberdade do que vocês estão habituados, mas em troca quero uma equipa melhor'. Durante os jogos exigia o máximo de nós, no entanto, fora dos relvados dava-nos espaço. Beber vinho... tenho a certeza que ele sabia tudo o que nós andávamos a fazer."

Sneijder, que está a escrever uma biografia, dá mais exemplos: "Tínhamos liberdade até na roupa que queríamos vestir. O clube tinha um patrocinador para os fatos, mas Mourinho disse-nos para os usarmos apenas se quisessemos. 'Vocês são jogadores de futebol, não são bonecos de moda', disse ele. Apenas três coisas eram importantes: treino duro, concentração e diversão. Então, todos usávamos fatos-de-treino ou calças de ganga. Cada um vestia-se com uma cor diferente."

O clube é que não achou piada à situação. "Era tão engraçado... Ninguém no Inter tinha coragem de desafiar Mourinho sobre isto."

Mario Balotelli fazia parte da equipa e já na altura mostrava uma personalidade difícil. "Mourinho protegia-nos, mas não podíamos arranjar confusão com ele. O Balotelli tentou..."

Sneijder explicou depois o que se passou. "Ele era jovem e pensava que sabia tudo. Numa fase em que Mourinho não o estava a utilizar muito, o Mario apareceu no meu quarto uma noite, estavam lá outros jogadores. Eram umas 10 e meia da noite e ele disse 'vou-me embora, o treinador não me leva a sério, quero jogar mais'."

"Mais tarde, Mourinho disse-nos que o Mario só voltaria se pedisse desculpa a toda a equipa e ao treinador. Ele fez exatamente isso quando voltou, ele e Mourinho vinham abraçados. Tudo estava bem outra vez, pelo menos foi o que Mario pensou...", acrescentou o ex-avançado holandês.

"Na final da Liga dos Campeões, Mourinho disse a Balotelli para aquecer durante 45 minutos; o Materrazzi aqueceu cinco minutos, entrou e o Mario ficou de fora. Mourinho tinha as suas próprias leis", explicou.

Mas o holandês recorda que o agora técnico do Tottenham tinha "coisas inesperadas". "Maicon viu um cartão vermelho e foi suspenso por dois jogos. No treino seguinte, o treinador puxou-o para uma conversa à parte, disse-lhe que ele era um pateta e mandou-o ao Brasil ver a família."

Sneijder conta também que passou por uma situação parecida. "Eu estava sozinho em Milão e a minha namorada vivia em Amesterdão. Ele sabia disso e disse-me que eu devia entrar num avião e ir ter com ela por uns dias. Pediu-me para voltar na sexta-feira, mas lembrei-lhe que tínhamos jogo no sábado. 'Exato. Tu vais jogar e vais deixar a pele em campo por mim', respondeu-me ele. É um treinador brilhante!"

Por Isabel Dantas
1
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0